quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Programa de Segurança Pública Pacto pela Vida começa a ser implementado no DF



Maior aposta do governador Rodrigo Rollemberg para reduzir a criminalidade no Distrito Federal, o programa Pacto pela Vida começa a tomar corpo. Há duas semanas à frente da Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social, Arthur Trindade já anunciou as primeiras medidas do projeto importado de Pernambuco (PE). A criação, nos últimos dias, de uma subsecretaria para melhorar a análise das ocorrências é vista pela equipe do governo como fundamental na elaboração das estratégias policiais.


Outra questão central na construção do Pacto pela Vida passa por uma agenda positiva de encontros mensais com a comunidade escolar, administradores regionais, conselheiros comunitários e outros importantes tomadores de decisões da sociedade. Tudo com a participação direta do governador. "O Pacto pela Vida deu certo em Pernambuco e em Minas Gerais porque os governadores assumiram o protagonismo, acompanhando de perto e participando de todas as decisões. Aqui não será diferente", afirma Arthur Trindade.

O titular da pasta pretende, ainda, dialogar com as prefeituras do Entorno do DF para que elas auxiliem na execução de programas de combate à violência. Os 20 municípios goianos vizinhos à capital do País são constantemente usados como bases por organizações criminosas atuantes no DF.

Entenda mais sobre o Pacto pela Vida na entrevista com Arthur Trindade, secretário da Segurança Pública e da Paz Social:

O senhor sempre foi um dos maiores críticos à ingerência política nas escolhas dos comandantes da Polícia Militar e dos diretores da Polícia Civil. A escolha do coronel César e do delegado Eric Seba, técnicos por natureza, pode ser considerada a primeira medida para fazer funcionar o Pacto pela Vida?

O não loteamento político da área de segurança pública é a condição necessária para o funcionamento do Pacto pela Vida. O governador tomou a corajosa decisão de não passar as escolhas desses cargos pelo crivo de partidos, um grande passo para melhorar a gestão da área.

Qual a estratégia para fazer, de fato, o policiamento comunitário funcionar?

A insegurança é algo que tem alterado a rotina das pessoas; portanto, criar o componente de aproximação do policial com a comunidade é essencial. Se o policial cria a rotina de visitar casas para saber se está tudo bem, a construção do vínculo começa de forma positiva. A população precisa saber que pode contar com a polícia não só quando ocorre um roubo ou homicídio, mas também quando precisar de auxílio para resolver pequenos incômodos.

Fazer o Pacto pela Vida funcionar exige articulação entre os governos do DF e de Goiás para resolver os problemas do Entorno. Quais medidas serão tomadas em relação à região?

Primeiramente, é preciso deixar claro que o Entorno não é um problema, mas, sim, uma solução para o desenvolvimento econômico do DF. É um grande mercado consumidor e abriga uma classe média enorme. No campo da segurança, queremos intensificar as operações com a polícia goiana, além de estreitar parcerias com prefeituras dessas cidades, pois elas podem ser muito eficientes na execução de programas de combate à violência.

O mentor do Pacto pela Vida em Pernambuco é o também sociólogo e professor universitário José Luiz Ratton. O senhor pretende consultá-lo?

Ratton é um grande amigo, colega de pesquisa e até escrevemos um livro. Certamente o consultarei, pois é um estudioso com muita experiência acumulada. Também pretendo consultar o presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Renato Sérgio Lima, e todos os policiais e pesquisadores que queiram contribuir. Há uma profunda transformação no campo da segurança pública e temos a sorte de ter vários gestores operacionais na área.


Agência Brasília
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...