quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

GDF sustenta tratamento contra as drogas em Ceilândia


Há pouco mais de quatro meses, José Antônio Barbosa não se reconhecia no espelho. Aos 32 anos, dez quilos mais magro, sujo e debilitado, o técnico em manutenção de ar-condicionado aparentava ser um zumbi, em sua própria definição. Passou os últimos cinco anos afundado no crack: perdeu o emprego, os amigos e parte da família o abandonou. O dia 27 de setembro de 2014 é considerado sua segunda data de nascimento. Foi quando ele se internou pela primeira vez no centro de tratamento para dependência química Salve a Si, na Cidade Ocidental (GO). 

Limpo das drogas desde então, o morador de Santa Maria faz planos para retornar à sociedade de cabeça erguida. Pela dedicação e pelo perfil de liderança, foi selecionado para fazer estágio de monitor no centro: “Graças a essa casa, resgatei a minha dignidade, quero voltar a trabalhar, dar amor à minha filha (de 1 ano e 6 meses) e manter o foco, mesmo quando eu concluir o tratamento”.


Internação gratuita

José Antônio integra uma lista de cerca de 130 pessoas atendidas por sete casas terapêuticas mantidas por convênio com o governo do Distrito Federal. O tratamento é gratuito e voluntário. O requisito para ser aceito em uma das clínicas é o encaminhamento por um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), além da vontade de ficar livre do vício. Os contratos começaram em 2013 (veja tabela) e têm vigência variada. Por ano, a Secretaria de Justiça e Cidadania repassa às casas R$ 2,7 milhões, investidos na recuperação de dependentes de crack, cocaína e maconha, entre outras substâncias ilícitas, além do álcool.


Homens e mulheres que enfrentam problemas com a bebida também são contemplados pela parceria entre o Executivo local e os centros. “A Secretaria de Justiça de Brasília é pioneira no País ao firmar convênios de acolhimento de dependentes químicos no modelo de residência terapêutica. Por causa dessa parceria, a Salve a Si conseguiu receber, só no ano passado, 520 pacientes”, destaca o presidente da entidade, José Henrique França. Com o convênio, os dependentes são tratados sem pagar um centavo.

As residências fornecem seis alimentações diárias e contam com profissionais como terapeutas, psicólogos, psiquiatras e monitores. O ambiente nas internações tem caráter democrático: moradores de rua e garis dividem o mesmo espaço com policiais, advogados e servidores públicos. “A dependência química iguala as pessoas; ter diploma não ajuda na hora em que você chega ao fundo do poço, sem controle sobre o uso de drogas”, atesta Georlando Góes, responsável pela Abba Pai, em Ceilândia. A instituição conveniada atende 37 homens.

Recuperação
José Henrique França, da Salve a Si, chama a atenção para o fato de que os pais também recebem suporte durante a internação do filho. “A família fica tão doente quanto o paciente, por isso ela é fundamental no processo de recuperação”, afirma. “Enquanto o acolhido faz o tratamento aqui, a família precisa participar de reuniões semanais externas.”


De cada dez pessoas internadas, três, em média, conseguem se manter limpas por dois anos ou mais. O índice de recuperação parece pequeno, mas quem lida diretamente com o resgate de dependentes analisa os números de forma positiva.

“Essas pessoas chegam sem nenhum tipo de perspectiva, completamente entregues às drogas, mas quando são tratadas e conseguem gerenciar suas crises, resgatam a autoestima e retornam à sociedade com dignidade”, analisa a psicóloga Elisa Andrade, da Salve a Si. “Se conseguirmos fazer esse resgaste com apenas um em cada dez, já é maravilhoso.”

Políticas públicas
A subsecretária de Políticas sobre Drogas da Secretaria de Justiça, Joana Mello, diz que as políticas públicas de recuperação de adictos são prioridade. “Seremos incansáveis em procurar maneiras de levar bem-estar a essas pessoas, porque essas casas são de fundamental importância na vida dos dependentes químicos e também para as famílias, principalmente as sem condições financeiras”, afirmou Joana, que também preside o Conselho de Políticas sobre Drogas do DF (Conen-DF).


Para que as dívidas deixadas pela gestão passada não prejudiquem a recuperação de dependentes químicos, em 10 de fevereiro, foram feitos os depósitos das mensalidades atrasadas referentes a novembro e a dezembro de 2014. A parcela de janeiro será paga nos próximos dias.

Estreitar o relacionamento com essas instituições é outro objetivo da Secretaria de Justiça. Em 11 de fevereiro, uma equipe do Conen foi a uma das casas pela primeira vez em 2015. “Faremos visitas rotineiras para saber como os trabalhos estão sendo desenvolvidos”, diz Joana. “A impressão nesse primeiro contato foi positiva, mas a meta é trabalhar para que os atendimentos melhorem ainda mais.”

Depoimento 
“Comecei na maconha aos 11 anos por influência de um amigo. Aos 16, conheci a cocaína e, aos 18, o inferno do crack. Perdi um bom emprego, vi as pessoas se afastarem de mim e hoje estou aqui tentando resgatar a minha dignidade. Chegava a passar três dias dormindo na rua, mesmo tendo uma casa confortável e uma família amorosa. É isso o que o crack faz: transforma a pessoa em lixo humano. Aqui, na Abba Pai, eu aprendi a ter paciência e a respeitar o próximo. As palestras com terapeutas e as reuniões em grupo me ajudam a lidar com os meus sentimentos. Depois de quatro meses de tratamento, começo a recuperar a confiança da minha família, da minha namorada e em mim mesmo.” (Márcio, nome fictício, 28 anos, paciente da Abba Pai)


Clínicas credenciadas
 
Entidade
Endereço
Contato/telefone
Contrato/Vigência
SALVE A SI
Fazenda Lages, Estrada do Córrego Lages, Sítio Gleba nº 9, Cidade Ocidental (GO)
Henrique /9997-5010
001/2013 - Vigência 26/08/2015
LEÃO DE JUDÁ
Sede: SCLN 703, Bloco H, Loja 8, Igreja Ministério Leão de Judá, Brasília (DF)
Acolhimento: Morro da Capelinha, Planaltina (DF)
Marcelo/8231-0565
002/2013 - Vigência 26/08/2015
INST CRESCER - NOVA VIDA
Rua 10, Chácara 118, Casa 18, Vicente Pires (DF)
Helen /3547-3198
003/2013 - Vigência 16/09/2015
AMAI/ CASA DO SOL AZUL
Condomínio Privê Paulo, Chácara 77, Monte Alto, Padre Bernardo (GO)
Wanderley/9972-4683
004/2013 - Vigência 16/09/2015
RAV
Núcleo Rural Alexandre Gusmão, Gleba 3, Lote 369, Chácara  3 e 4 - Mansões Weiler, Ceilândia (DF)
Marcelo /84214699
006/2013 - VIG. 23/10/2015
ABBA PAI
CNR 1, Conjunto 1, Núcleo Rural Monjolinho, Ceilândia Norte, Brasília- (DF)
Georlano /8102-0237
009/2013 - VIG. 14/11/2014
CAVERNA DE ADULÃO
Núcleo Rural Córrego do Atoleiro, chácara 11, Planaltina (GO)
Claudison /84671040
008/2013 - VIG. 31/12/2015
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...