segunda-feira, 2 de março de 2015

Merendeiras nas escolas e recepcionistas nos hospitais decidem entrar em greve


Reunidas em assembléia organizada pelo Sindiserviços-DF, sindicato que representa os trabalhadores terceirizados do Distrito Federal (DF), na manhã desta segunda-feira 02, primeiro dia do ano letivo, as merendeiras na Rede Publica de Ensino do DF, empregadas da Empresa G & E, decidiram paralisar suas atividades a partir desta terça-feira (03), até que a empresa quite o pagamento das férias, tíquete alimentação e vale transporte de janeiro e fevereiro para cerca de 800 trabalhadoras.

Com o salário, vale transporte e tíquete alimentação do mês de janeiro sem receber, 655 empregadas da Empresa GVP, parte delas presentes na Assembléia, também decidiram paralisar o atendimento de recepção nos Postos e Hospitais Públicos do DF.

Já, outras 500 merendeiras também nas Escolas Publicas do DF, que são empregadas da Empresa Planalto, diante da promessa da empresa em quitar até amanhã 03 (terça-feira), o pagamento do 13º salário, salário de dezembro de 2014 juntamente com o vale transporte e o tíquete alimentação de fevereiro, também parte delas presentes na assembléia, optaram em aguardar o cumprimento do Acordo firmado no Ministério Publico do Trabalho (MPT-10ª Região), no dia 26/02/2015, mas estão em estado de greve.

Ministério Publico do Trabalho (MPT-10ª Região)

No inicio desta tarde (segunda-feira 02), a direção do Sindiserviços-DF, esteve reunida com os procuradores do trabalho do Ministério Publico do Trabalho (MPT-10ª Região) e solicitou que o MPT-10ª Região intervenha contra as empresas contratadas pelo GDF.

Muitas, disse a secretária Geral do Sindiserviços-DF, Andrea Cristina da Silva, não estão cumprindo com o acordo firmado em Ata de Conciliação, no inicio deste ano, no MPT-10ª Região.

Na reunião, os demais diretores presentes do Sindiserviços-DF, também solicitaram nova Audiência Publica com a presença dos representantes do GDF e seus respectivos contratados inadimplentes.

Alem das empresas acima citadas, constam na relação encaminhada para os procuradores, às empresas Ipanema (Secretaria de Saúde) que deve férias e vale transporte. Projebel (Secretaria de Habitação) está com o contrato suspenso e não pagou as verbas rescisórias dos trabalhadores.
A Empresa Servegel (Secretaria de Educação) também está inadimplente com o pagamento do vale transporte há quase dois meses e a Real JG (vários órgãos do GDF), que descumpriu acordo firmado no MPT-10ª Região, descontou os dias parados em virtude de greve reivindicativa aos direitos dos trabalhadores.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...