sexta-feira, 3 de julho de 2015

Delmasso volta atrás e pede veto de artigo que limita ideia de família à união heterossexual


O deputado distrital Rodrigo Delmasso (PTN) afirmou que vai encaminhar até segunda-feira (6) ao governador Rodrigo Rollemberg um documento pedindo o veto do artigo II do projeto de lei que prevê políticas públicas para valorização da família, depois de vários segmentos da sociedade entenderem que ele não reconhece uniões homossexuais. A proposta restringe o conceito de família ao núcleo formado a partir da união entre um homem e uma mulher e foi aprovada pela Câmara Legislativa na última sessão antes do recesso parlamentar.

"Essa polêmica toda se deu por causa de uma interpretação que deram, que alguns segmentos da sociedade deram, que o projeto é excludente. Eu defendo que o projeto não exclui. Então, para que o projeto seja preservado e as famílias sejam preservadas, vou encaminhar um documento para o governador pedindo que ele vete", declarou.
Para Delmasso, a definição não prejudicava homossexuais, mas ONGs reprovaram a proposta. O segundo artigo do projeto de lei 173/2015 diz: “Entende-se por entidade familiar o núcleo social formado a partir da união entre um homem e uma mulher, por meio de casamento ou união estável, ou por comunidade formada por qualquer dos pais e seus descendentes”.
Representante da ONG Estruturação Grupo LGBT de Brasília, Michel Platini disse na época ter outra interpretação. “Ele diz que o projeto de lei também contempla outros tipos de família além da formada por pai e mãe, mas não é claro quanto aos homossexuais.”
O ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal Carlos Ayres Britto afirmou considerar o texto como uma "afronta direta" ao STF. "Eu não entendo porque [aprovaram a lei]. A redação do acórdão do STF é claríssima, não enseja nenhuma dúvida interpretativa. Já transitou em julgado, inclusive. [...] Para mim, com todo respeito, foi uma afronta direta à decisão do Supremo e, por consequência, um desrespeito à Constituição Federal no tema."
A proposta prevê a implantação de políticas públicas para valorização da família. “Na minha avaliação não interfere em nada na perda civil de seus direitos conquistados”, afirma Delmasso. “O projeto, ele reconhece, ele só explica aquilo que está na Constituição Federal, que é o seguinte: a família é a formação, é a união estável entre um homem e uma mulher.”
Portal G1
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...