domingo, 10 de janeiro de 2016

Brasiliense está insatisfeito com o policiamento nas ruas


Assalto com refém e arrastão no Lago Sul; menino esfaqueado no Lago Norte; explosão de caixa eletrônico e roubo de joias na Asa Sul; e mulher assassinada em Ceilândia. Em menos de uma semana os casos foram destaque nos principais veículos de imprensa. E embora as estatísticas da Secretaria de Segurança Pública e da Paz Social apresentem números reduzidos da violência nos principais tipos de ocorrência, a população não se sente segura. Uma pesquisa da Companhia de Planejamento (Codeplan) revela que, em média, 73,6% dos moradores não estão satisfeitos com o policiamento nas ruas do Distrito Federal.


A pesquisa, que realizou 2.385 entrevistas entre outubro e novembro do ano passado, ouviu pessoas que procuraram ou não a Polícia Militar. Para aqueles que buscaram a PM, 77,01% consideraram o policiamento péssimo (30,09%), ruim (16,93%) ou regular (29,99%). O índice ficou um pouco menor entre aqueles que não procuraram: 70,19%.
Os números significam que há muito trabalho para a psicóloga Márcia de Alencar, nomeada secretária de Segurança na quarta-feira (6/1), e o novo comandante-geral da Polícia Militar, coronel Marcos Antônio Nunes, indicado na mesma data.

“Falta policiamento mesmo. Ainda mais para nós, que trabalhamos no comércio, a sensação é de insegurança. Às vezes ficamos horas sem ver um policial nas proximidades”, relata a vendedora Norma Suely dos Santos, 50 anos. A opinião é a mesma de Ildemar Tavares de Miranda, 55 anos. “A polícia sumiu das ruas nos últimos meses. Moro em Brazlândia e raramente vejo uma viatura rondando por lá”, conta.
Confiança no policial
Além da falta de policiamento, os cidadãos se dividem quanto a qualidade do trabalho realizado pela polícia. Segundo a pesquisa da Codeplan, cerca de 61% dos entrevistados que procuraram o serviço consideram o atendimento de policiais militares péssimo, ruim ou regular.

A visão é mais otimista em relação aos policiais civis: 48% dos cidadãos que buscaram ajuda dos profissionais da corporação acreditam que o serviço foi péssimo, ruim ou  regular.
O outro lado
Em nota, a Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social afirmou que um dos pilares do programa Viva Brasília, implementado no atual governo, “é justamente a aproximação da comunidade com as forças policiais por meio do estabelecimento de canais de diálogo”.

Segundo a pasta, “dentro das demandas atendidas pelo programa está a implantação de estratégias de policiamento adequadas às diversas realidades locais, com base em pesquisas para o melhor combate ao crime”.
*Informações do portal Metrópoles
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...