segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Mulheres inspiradoras e que moram em Ceilândia

Foi numa escola pública em Ceilândia que nasceu um dos projetos de literatura mais inspiradores dos últimos tempos. O Centro de Ensino Fundamental 12 ficou mundialmente mais conhecido graças ao “Mulheres Inspiradoras”, que conquistou, no mês passado, o I Prêmio Ibero-Americano de Educação em Direitos Humanos, promovido pela OEI, a Organização dos Estados Ibero-Americanos. “Desde que eu me entendo por gente, eu vi meu pai e minha mãe falando de escola, com muita paixão. Algo que me tornaria especial, quase algo que me daria superpoderes. Eu acreditei”, afirma a professora Gina Vieira Ponte, idealizadora do projeto, filha de pai analfabeto e mãe empregada doméstica.

Os estudantes passaram por quatro etapas: leram livros escritos por mulheres; estudaram a biografia de grandes mulheres do Brasil e do mundo; conheceram a história de grandes mulheres de Ceilândia e por fim tiveram que escolher a vida de uma mulher inspiradora para escrever a repeito.
A fórmula deu certo por vários motivos e virou notícia. Em entrevista ao Canal E, a estudante Gabriela Moura de Souza contou sua experiência. “Eu escolhi minha mãe. É um exemplo que tenho como espelho. Se ela é meu espelho, por que não minha mulher inspiradora?”, disse. Outros estudantes também escolheram as próprias mães, além de avós e bisavós.
A ideia surgiu assim, Gina, como todo bom professor, foi atrás de um jeito de se aproximar do aluno que refletisse em conhecimento. Sabe o que ela fez? Criou um perfil na internet. Era para envolver as novas tecnologias e manter interação com os estudantes num ambiente que eles conhecem bem. Gina acabou assistindo ao vídeo que uma aluna, de 13 anos, publicou todo baseado em referências sexuais, da roupa ao jeito de dançar. Aquela imagem fez a professora querer mudar a percepção da turma sobre ser mulher.
Hoje, quando a pergunta é “o que é mulher uma inspiradora para você?”, logo vêm as palavras forte, guerreira, tudo. “Significou uma mudança para mim. Eu tinha um olhar machista, achava que ‘mulher não podia ser isso, não podia ser aquilo’. ‘Mulher não podia trabalhar, tinha que ficar em casa cuidando dos filhos, esquentando a barriga no fogão’. Depois desse projeto, minha visão mudou toda. A mulher pode ser o que ela quiser”, afirmou o consciente Yuri Silva Gomes, um dos estudantes que também participou do projeto, ao Canal E.
Em entrevista ao Blog Favela Potente, a professora Gina Vieira não conteve sua felicidade. “As próprias mulheres entrevistadas se surpreendiam quando os alunos declaravam que queriam entrevistá- las por serem mulheres inspiradoras. Muitas diziam: ‘Mas, eu? Sou inspiradora’. Muitas reavaliaram a própria vida e passaram a se sentir orgulhosas de tudo o que tinham superado. Houve mães que nos relataram que a entrevista fortaleceu os vínculos familiares, fez com que elas se aproximassem dos filhos…”, explica.
Filhos e netos descobriram que não conheciam muito bem a história dessas mulheres tão próximas. Eles se surpreenderam com detalhes que descobriram da vida delas. “Eles perceberam que estavam redescobrindo a própria história. A maioria dos alunos não tinha ideia de quantas lutas as mães, avós e bisavós tinham travado para assegurar a sobrevivência da família. Há muitos relatos de violência doméstica, de trabalho na infância, de racismo…”, contou ao Favela Potente.
Alguma dúvida de que a professora Gina Vieira é uma mulher inspiradora? Agora é continuar colhendo os frutos dessas boas historias. Em março, sai um livro com o relato das mulheres.
O projeto concorreu na OEI com um vídeo de 5 minutos. Aqui você encontra outros vídeos que também falam do Mulheres Inspiradoras. Este aqui foi produzido pela  UNESCO  para o Fórum Mundial de Educação que ocorreu na Coréia do Sul em maio de 2015: https://www.youtube.com/watch?v=DRlvTAK1dqk
Primeiro eles leram obras de autoria feminina:
  1. O Diário de Anne Frank
  2. Eu sou Malala
  3. Quarto de Despejo- Diário de uma favelada de Carolina Maria de Jesus
  4. Não vou mais lavar os pratos de Cristiane Sobral
  5. Só por hoje vou deixar o meu cabelo em paz.
Depois eles estudaram a biografia de grandes mulheres do Brasil e do mundo:
  1. Carolina Maria de Jesus
  2. Cora Coralina
  3. Anne Frank
  4. Irena Sendler
  5. Lygia Fagundes Telles
  6. Nise da Silveira
  7. Maria da Penha
  8. Rosa Parks
  9. Zilda Arns
  10. Malala
Depois eles conheceram quatro mulheres de expressão em Ceilândia:
  1. Madalena Torres
  2. Patricia Melo
  3. Creusa Pereira
  4. Cristiane Sobral
E, na última etapa do Projeto, eles escolheram uma mulher inspiradora da vida deles, aquela que eles considerassem que mais influenciou a formação de cada um.
Por Brasília Rodrigues/ Favela Potente 
*Basilia Rodrigues é jornalista, pesquisadora e observadora.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...