quinta-feira, 24 de março de 2016

Paratleta de Ceilândia recordista nacional nos 100m rasos precisa de patrocínio

A deficiência  não impediu que o paratleta  Ricardo Serpa de Souza, de 22 anos, vencesse o preconceito e as dificuldades por ser cadeirante. Dedicou-se ao esporte e se tornou um atleta medalhista. Há quatro anos morando na capital federal, o ceilandense é natural da zona rural de Santa Rita de Cássia, na Bahia. Com apenas três anos praticando o esporte,  conquistou a melhor marca nos 100m T34, com tempo de 20s28, sendo o atual recordista brasileiro na modalidade. A competição aconteceu em novembro do ano passado, em São Paulo.

Sua meta é se classificar para as paraolimpíadas de 2016 no Rio de Janeiro, mas, para isso é preciso conseguir baixar o seu tempo para menos de 17s. Para alcançar seu objetivo, treina  três vezes por semana na Associação de Centro de Treinamento de Educação Física Especial (Cetefe). Foco, determinação e superação são as palavras que podem resumir sua luta diária.  Para chegar até  o local do treino,  são duas conduções. E o esforço tem valido a pena, segundo ele. 

Em 2015,  conquistou duas medalhas de prata nas modalidades de  lançamento de dardo F34, e nos 100m rasos T34, na fase regional do Centro-Oeste do Circuito Brasil Caixa Loterias CPB.  Também na mesma competição, arrebatou o bronze no arremesso de peso F34. Na etapa nacional do circuito  realizada em novembro, em São Paulo, Ricardo bateu o Record nos 100m T34. O resultado o consagrou como o cadeirante mais veloz do Brasil em sua categoria. “Sou prova de que somos donos do nosso próprio destino. Não importa se você nasceu em uma família rica, pobre, se você só tem um olho ou apenas um braço. No meu caso, não tenho o movimento das pernas, mas isso não me impediu de sonhar”, diz, emocionado.

Sem patrocínio

Sem patrocínio, o atleta tenta conciliar as despesas pessoais e as dos treinamentos,  custeadas com uma  única fonte de renda de um salário-mínimo  de benefício do INSS. Ricardo conta que mora de aluguel em uma casa na Ceilândia Norte com sua irmã Irany Serpa, de  29 anos , e sua sobrinha Stella, de 4 . A irmã, que trabalha como vendedora em uma loja de eletrodomésticos, é  sua maior incentivadora. “ Pagamos R$ 600 reais de aluguel, e ainda há as despesas com água e luz. "Minha irmã tem sido meu porto seguro. Ela é quem custeia todas as despesas da casa, e nunca pediu para eu desistir”.

Agora, o atleta terá outros desafios em 2016, Ricardo irá participar, nos próximos dias (31/03 a 3/04); (24/06 a 26/06); (14/07 a 17/07) e (10/11 a 13/11), em São Paulo, das fases nacionais do Circuito Brasil Caixa Loterias CPB.

Principais Conquistas da Carreira

2013- Prata no Lançamento de Dardo F34; 4º lugar no Arremesso de Peso F34, da Fase Regional Centro-Oeste do Circuito do Comitê Paralímpico Brasileiro.
2014- Prata no Lançamento de Dardo F34; Prata no Arremesso de Peso F34 da Fase Regional Centro-Oeste do Circuito do Comitê Paralímpico Brasileiro.
2015- Prata no Lançamento de Dardo F34; Prata nos 100m T34 (com o resultado se classificou para disputar o Campeonato Brasileiro do CPB); Bronze no Arremesso de Peso F34, da Fase Regional Centro-Oeste do Circuito Brasil Caixa Loterias CPB.
Ouro nos 100m T34 da 2ª Fase Nacional do Circuito Brasil Caixa Loterias CPB, onde bateu o recorde brasileiro da categoria; Ouro nos 100m T34 dos Jogos Abertos de Brasília; Ouro nos 100m T34 da 3ª Fase Nacional do Circuito Brasil Caixa Loterias CPB, novamente bateu o recorde brasileiro da categoria com o tempo de 20s28.


Para quem se interessar e quiser ajudar o atleta,  entrar em contato pelos telefones : 61-9111-6651/9870-4891.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...