sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Sem autorização, loja de material de construção abastece veículos a diesel em Ceilândia


[Jornal de Brasília] Era para ser apenas uma loja de materiais de construção, no Setor de Indústria de Ceilândia. Um local onde seria possível comprar o metro de areia lavada por R$ 100. Porém, quem prestar atenção e observar o vaivém de carros vai perceber que ali é possível abastecer um veículo movido a diesel. E não apenas os carros da própria empresa. Vans e caminhões com câmara fria, entre outros, foram flagrados pelo JBr. recebendo o combustível na porta do estabelecimento.

A venda de combustível sem permissão é ilegal. A Instrução 213/2013 do Ibram e a Resolução do Conama 273/2000 proíbem a venda de líquidos inflamáveis para terceiros em locais que têm a licença apenas para abastecimento próprio, como é o caso da loja em questão.

A equipe de reportagem pôde conferir pessoalmente, e confirmar com pessoas da região, que a venda de diesel ocorre com tranquilidade – por cerca de R$ 0,30 abaixo do valor de mercado. O esquema ocorre durante todo o dia e, em especial, no fim da tarde, por volta das 18h, quando até se forma uma fila.

Assim que os veículos chegam, o proprietário do veículo desce, fala com o rapaz que fica na porta que vai à bomba de diesel e faz a transferência. Tudo ali, ao lado da BR- 070, altura do KM 10.

Fontes ouvidas pela reportagem denunciaram que o posto irregular funciona há pouco mais de um ano e meio, com a desculpa do abastecimento da frota da empresa. “Mas só fornecem para quem conhecem. Não é para qualquer um”, disse um dos entrevistados. A testemunha ainda destaca o risco de explosão, dada a ilegalidade. Os tanques de abastecimento não ficam abaixo da terra e podem ser vistos mesmo do lado de fora do estabelecimento.

Quem trabalha e passa pela redondeza, por medo, não quis se identificar, já que a área fica numa região perigosa e há brigas de imobiliárias, pois o valor dos terrenos é alto. O que essas pessoas não entendem é o motivo do posto de combustível ilegal funcionar a céu aberto e nunca ser fechado.

As normas preveem três licenças obrigatórias para o funcionamento dos estabelecimentos: a Prévia, a de Instalação e a de Operação. Os locais com ponto de abastecimento também precisam de uma licença para a atividade principal da empresa. A liberação por parte do Ibram demora meses ou anos.



“Vantagem indevida”

Por telefone, o dono da empresa, Wanderlei Dias da Costa, inicialmente afirma que “em hipótese alguma” vende diesel e que só abastece a frota dele, de seis caminhões, e os carros terceirizados, que seriam cerca 20. Depois, ele diz que muito dificilmente os motoristas terceirizados abasteçam o carro próprio. Para esses últimos ele alega: “O diesel não é dado de graça. Ele (condutor) tem a receber e abastece a caminhonete. Perante a situação (financeira) que anda todo mundo, ele não pode colocar um diesel para ele?”, argumenta. Sobre a van flagrada, ele justifica que a utiliza apenas para entregas nos locais onde não dá para ir com caminhão.

Para a bióloga da assessoria ambiental do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e de Lubrificantes do DF (Sindicombustíveis), Silvana Andrade, a situação é grave. “É uma fraude. Um ilícito de receita e de mercado. O estabelecimento pegou a autorização para atuar como ponto e começa a ser posto de revenda. Ele entra em outra esfera”, denuncia.

“Evidentemente, tem uma vantagem indevida e a venda descumpre as obrigações. O comerciante deixa de ter os gastos inerentes à atividade, aqueles que quem a faz regularmente está sujeito”, diz o economista Roberto Piscitelli. Ele compara o esquema com a pirataria: é ilegal e não tem autorização, além “de não trazer benefício para o consumidor devido às condições da operação e do combustível”.
Procurado, o Instituto Brasília Ambiental (Ibram) informou que a fiscalização da venda compete à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).


*Fonte Jornal de Brasília http://goo.gl/iqP7UU )
* Imagens Kleber Lima 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...