terça-feira, 2 de agosto de 2016

Sindicatos intensificam manifestações contra OSS. Mobilização hoje será na UPA de Ceilândia


Após o término do recesso parlamentar, a retomada da CPI da Saúde do DF na Câmara Legislativa do DF (CLDF) e o Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) devem retomar as atividades e promover uma devassa na vida de personagens importantes, principalmente gestores da Saúde do DF. Isso, graças a uma série de denúncias e convocações que vieram a tona, após vazamentos de áudios gravados por Marli Rodrigues, presidente do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos da Saúde do DF (SindSaúde-DF).
Com isso, personagens importantes em relação às Organizações Sociais (OSs) devem ser ouvidos na CLDF e no MPDFT, o que deve dificultar a tentativa de o Executivo emplacar o PL para gestão da Saúde do DF por meio de OSs.
Mas, “como seguro morreu de velho”, as entidades sindicais resolveram se contrapor a facilidade de o governo propagar “meias verdades”, por meio da imprensa, em relação as OSs, a exemplo da referência da gestão do Hospital da Criança de Brasília José de Alencar (HCB).
Com isso as entidades sindicais resolveram contra-atacar e realizar uma série de atividades, para esclarecer à população quanto ao que consideram riscos, a entrega da Saúde pública do DF para as OSs.
No sábado (30/Jul), as entidades sindicais foram para a frente da Feira de Ceilândia, Região Administrativa, apontada pelo GDF para receber OSs para cobrir toda Atenção Primária, nas Unidades Básicas, Centros e Postos de Saúde, além da UPA Ceilândia. Durante toda manhã médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem e outras categorias da Saúde, entre uma aferição de pressão e medição de glicemia, fizeram esclarecimentos à comunidade local. No Domingo (31/Jul), foi a vez de Planaltina.
Mortes evitáveis
Nesta segunda, em um ato relâmpago, a direção do Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do DF (Sindate-DF), colocou cerca de 300 cruzes, na praça do Buriti, que terminou em confusão, uma vez que o GDF acionou a Polícia Militar e a Agência de Fiscalização de Brasília (Agefis), para retirar o que o vice-presidente do Sindate-DF, Jorge Vianna, chamou de “símbolo das mortes evitáveis que estão ocorrendo no DF por omissão do governo.”.
Na rede social Facebook, Vianna postou um desabafo diante da ação que chamou de truculenta, por parte do GDF.
UPA Ceilândia
Na terça-feira (2/Ago), um grande ato unificado deve ocorrer, novamente, na RA Ceilândia, em frente a UPA e deve reunir, servidores, concursados e representantes de todos os sindicatos ligados  à Saúde do DF.
Por Kleber Karpov / Política Distrital
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...