Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Com elevador quebrado, hospital de Samambaia move pacientes pelas escadas


Em vídeo obtido pelo UOL, uma mulher de cadeira de rodas é carregada por três funcionários até o andar abaixo.

Em uma outra imagem, dois funcionários sobem as escadas com um homem deitado em uma maca. Segundo a dona de casa Maria de Lourdes, de 65 anos, é comum que os elevadores do hospital quebrem com frequência. "Além do trabalhão dos funcionários que se revezam para carregar os pacientes para cima e baixo, ainda tem a segurança, né? Um passo em falso pode resultar num baita acidente."

Nas imagens, uma funcionária diz preocupada: "Cuidado para não vir para frente [cadeira de rodas]. Gente, coloca de costas." 

O técnico em enfermagem Jorge Viana afirma que o Hospital Regional de Samambaia está sem condições de trabalho. Segundo ele, o mau funcionamento dos elevadores pode interferir diretamente na saúde dos pacientes.

"Os elevadores estão sem condição de subir o pessoal. E tem gente aqui que chega em estado grave, operado, né? Que não conseguem mesmo subir as escadas. Aqui, elevador é necessidade e não luxo. Além disso, o pessoal da Secretaria de Saúde está escalando os funcionários que fazem hora extra para subir os pacientes em maca e cadeiras de rodas. Um caos", diz o funcionário.

Os problemas se agravam com uma greve de servidores. Técnicos e auxiliares das áreas de enfermagem e radiologia estão em greve há 11 dias. Eles cruzaram os braços para cobrar do governo do Distrito Federal uma gratificação no salário negociada na gestão do ex-governador Agnelo Queiroz, em 2013.

De acordo o vice-presidente do Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do DF (Sindate-DF), Jorge Viana, a paralisação afeta a preparação de pacientes para cirurgias, marcação de consultas e serviços ambulatoriais.

Segundo o Sindate a gratificação chega a representar até 55% do que eles recebem. Os salários iniciais para técnicos e auxiliares de enfermagem e radiologia variam entre R$ 1,8 mil e R$ 3,6 mil. Ao todo, há 15 mil na Secretaria de Saúde. O número representa quase metade da força de trabalho – 32 mil.

Em nota, a direção do Hospital Regional de Samambaia informou que os técnicos da empresa responsável pela manutenção, ao iniciarem o conserto, verificaram que faltavam novas peças além das já solicitadas. Um novo pedido já foi encaminhado e as peças devem chegar até sexta-feira (5).

Já a Secretaria de Saúde do Distrito Federal informou que os elevadores estão sem funcionar desde segunda-feira (31), e não há duas semanas, como relataram alguns funcionários.

*Informações Edson Sombra / UOL