GDF sustenta tratamento contra as drogas em Ceilândia


Há pouco mais de quatro meses, José Antônio Barbosa não se reconhecia no espelho. Aos 32 anos, dez quilos mais magro, sujo e debilitado, o técnico em manutenção de ar-condicionado aparentava ser um zumbi, em sua própria definição. Passou os últimos cinco anos afundado no crack: perdeu o emprego, os amigos e parte da família o abandonou. O dia 27 de setembro de 2014 é considerado sua segunda data de nascimento. Foi quando ele se internou pela primeira vez no centro de tratamento para dependência química Salve a Si, na Cidade Ocidental (GO). 

Limpo das drogas desde então, o morador de Santa Maria faz planos para retornar à sociedade de cabeça erguida. Pela dedicação e pelo perfil de liderança, foi selecionado para fazer estágio de monitor no centro: “Graças a essa casa, resgatei a minha dignidade, quero voltar a trabalhar, dar amor à minha filha (de 1 ano e 6 meses) e manter o foco, mesmo quando eu concluir o tratamento”.


Internação gratuita

José Antônio integra uma lista de cerca de 130 pessoas atendidas por sete casas terapêuticas mantidas por convênio com o governo do Distrito Federal. O tratamento é gratuito e voluntário. O requisito para ser aceito em uma das clínicas é o encaminhamento por um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), além da vontade de ficar livre do vício. Os contratos começaram em 2013 (veja tabela) e têm vigência variada. Por ano, a Secretaria de Justiça e Cidadania repassa às casas R$ 2,7 milhões, investidos na recuperação de dependentes de crack, cocaína e maconha, entre outras substâncias ilícitas, além do álcool.


Homens e mulheres que enfrentam problemas com a bebida também são contemplados pela parceria entre o Executivo local e os centros. “A Secretaria de Justiça de Brasília é pioneira no País ao firmar convênios de acolhimento de dependentes químicos no modelo de residência terapêutica. Por causa dessa parceria, a Salve a Si conseguiu receber, só no ano passado, 520 pacientes”, destaca o presidente da entidade, José Henrique França. Com o convênio, os dependentes são tratados sem pagar um centavo.

As residências fornecem seis alimentações diárias e contam com profissionais como terapeutas, psicólogos, psiquiatras e monitores. O ambiente nas internações tem caráter democrático: moradores de rua e garis dividem o mesmo espaço com policiais, advogados e servidores públicos. “A dependência química iguala as pessoas; ter diploma não ajuda na hora em que você chega ao fundo do poço, sem controle sobre o uso de drogas”, atesta Georlando Góes, responsável pela Abba Pai, em Ceilândia. A instituição conveniada atende 37 homens.

Recuperação
José Henrique França, da Salve a Si, chama a atenção para o fato de que os pais também recebem suporte durante a internação do filho. “A família fica tão doente quanto o paciente, por isso ela é fundamental no processo de recuperação”, afirma. “Enquanto o acolhido faz o tratamento aqui, a família precisa participar de reuniões semanais externas.”


De cada dez pessoas internadas, três, em média, conseguem se manter limpas por dois anos ou mais. O índice de recuperação parece pequeno, mas quem lida diretamente com o resgate de dependentes analisa os números de forma positiva.

“Essas pessoas chegam sem nenhum tipo de perspectiva, completamente entregues às drogas, mas quando são tratadas e conseguem gerenciar suas crises, resgatam a autoestima e retornam à sociedade com dignidade”, analisa a psicóloga Elisa Andrade, da Salve a Si. “Se conseguirmos fazer esse resgaste com apenas um em cada dez, já é maravilhoso.”

Políticas públicas
A subsecretária de Políticas sobre Drogas da Secretaria de Justiça, Joana Mello, diz que as políticas públicas de recuperação de adictos são prioridade. “Seremos incansáveis em procurar maneiras de levar bem-estar a essas pessoas, porque essas casas são de fundamental importância na vida dos dependentes químicos e também para as famílias, principalmente as sem condições financeiras”, afirmou Joana, que também preside o Conselho de Políticas sobre Drogas do DF (Conen-DF).


Para que as dívidas deixadas pela gestão passada não prejudiquem a recuperação de dependentes químicos, em 10 de fevereiro, foram feitos os depósitos das mensalidades atrasadas referentes a novembro e a dezembro de 2014. A parcela de janeiro será paga nos próximos dias.

Estreitar o relacionamento com essas instituições é outro objetivo da Secretaria de Justiça. Em 11 de fevereiro, uma equipe do Conen foi a uma das casas pela primeira vez em 2015. “Faremos visitas rotineiras para saber como os trabalhos estão sendo desenvolvidos”, diz Joana. “A impressão nesse primeiro contato foi positiva, mas a meta é trabalhar para que os atendimentos melhorem ainda mais.”

Depoimento 
“Comecei na maconha aos 11 anos por influência de um amigo. Aos 16, conheci a cocaína e, aos 18, o inferno do crack. Perdi um bom emprego, vi as pessoas se afastarem de mim e hoje estou aqui tentando resgatar a minha dignidade. Chegava a passar três dias dormindo na rua, mesmo tendo uma casa confortável e uma família amorosa. É isso o que o crack faz: transforma a pessoa em lixo humano. Aqui, na Abba Pai, eu aprendi a ter paciência e a respeitar o próximo. As palestras com terapeutas e as reuniões em grupo me ajudam a lidar com os meus sentimentos. Depois de quatro meses de tratamento, começo a recuperar a confiança da minha família, da minha namorada e em mim mesmo.” (Márcio, nome fictício, 28 anos, paciente da Abba Pai)


Clínicas credenciadas
 
Entidade
Endereço
Contato/telefone
Contrato/Vigência
SALVE A SI
Fazenda Lages, Estrada do Córrego Lages, Sítio Gleba nº 9, Cidade Ocidental (GO)
Henrique /9997-5010
001/2013 - Vigência 26/08/2015
LEÃO DE JUDÁ
Sede: SCLN 703, Bloco H, Loja 8, Igreja Ministério Leão de Judá, Brasília (DF)
Acolhimento: Morro da Capelinha, Planaltina (DF)
Marcelo/8231-0565
002/2013 - Vigência 26/08/2015
INST CRESCER - NOVA VIDA
Rua 10, Chácara 118, Casa 18, Vicente Pires (DF)
Helen /3547-3198
003/2013 - Vigência 16/09/2015
AMAI/ CASA DO SOL AZUL
Condomínio Privê Paulo, Chácara 77, Monte Alto, Padre Bernardo (GO)
Wanderley/9972-4683
004/2013 - Vigência 16/09/2015
RAV
Núcleo Rural Alexandre Gusmão, Gleba 3, Lote 369, Chácara  3 e 4 - Mansões Weiler, Ceilândia (DF)
Marcelo /84214699
006/2013 - VIG. 23/10/2015
ABBA PAI
CNR 1, Conjunto 1, Núcleo Rural Monjolinho, Ceilândia Norte, Brasília- (DF)
Georlano /8102-0237
009/2013 - VIG. 14/11/2014
CAVERNA DE ADULÃO
Núcleo Rural Córrego do Atoleiro, chácara 11, Planaltina (GO)
Claudison /84671040
008/2013 - VIG. 31/12/2015
GDF sustenta tratamento contra as drogas em Ceilândia GDF sustenta tratamento contra as drogas em Ceilândia Reviewed by Diário de Ceilândia on quinta-feira, fevereiro 19, 2015 Rating: 5

Nenhum comentário

Slider

[recent]

Anuncios!

Diário de Ceilândia © Copyright 2010-2018. Tecnologia do Blogger.