Campo de futebol em Ceilândia se transforma em lixão


Um terreno vazio na EQNP  8/12  do Setor P Sul, em Ceilândia, era motivo de orgulho para a comunidade. Um grande campo de futebol fazia a alegria da população. No entanto, nos últimos dez anos,  a realidade é outra. O gramado virou um depósito de lixo  a céu aberto para carroceiros. 

Além do incômodo do cheiro, o lixão  preocupa os moradores, que se sentem ameaçados por possíveis doenças. No local, encontra-se de tudo, desde materiais de construção a animais mortos.  Diante disso, a região é tomada por moscas, ratos e focos de mosquito da dengue. 

A causa do problema não parece ser falta de limpeza, mas de fiscalização e conscientização. Isso porque, garante a comunidade, muitos moradores também se aproveitam da região para descarregar lixo. Em apenas uma hora no local,  foram vistos   quatro “sujões”.

Entre os moradores que mais sofrem com a presença do lixão  está o serralheiro Edimundo Santana, 58, que mora e trabalha de frente para o problema. "Já encontrei até cachorro morto. O cheiro é insuportável, não dá para aguentar", conta o serralheiro, ressaltando que o transtorno é crônico. "É preciso fiscalizar. No dia seguinte à limpeza, volta tudo ao normal. Às vezes, vejo pessoas passando por perto e jogando um saco de lixo pequeno. Ou seja, é um problema com vários responsáveis", comenta.

Próximo ao entulho, há residências, supermercado, parada de ônibus, igreja e até escola. Diante disso, a manicure Maria das Dores, 28 anos, informa que fica difícil escapar do lixão. "Ele está no centro de tudo. Eu, por exemplo, tenho que atravessar o terreno quase toda hora para ir ao mercado. Me preocupo também com as crianças. Já virou algo comum ver ratazanas", diz.

Para o advogado Reinaldo de Paula, 34, a ocupação do espaço é a única solução. Para ele, a criação de uma praça,  creche,  biblioteca ou outro campo de futebol é a saída. "Já tivemos placas pedindo para não sujar e não adiantou", conta.

Administração diz que toma várias medidas

Questionada sobre o problema, a Administração Regional de Ceilândia informou que várias medidas foram tomadas para amenizar o descarte irregular de lixo. "Nesses espaços, também sinalizamos com placas que é proibido descartar lixo, conforme a legislação. Além disso, é feito um mapeamento para possíveis intervenções, como a colocação de Pontos de Encontro Comunitários (PECs)", explica a assessoria.

A administração informa que firma parcerias com a Agência de Fiscalização do DF (Agefis) quanto a fiscalização, notificação e aplicação de multas para quem descarta lixo irregularmente. "Ressaltamos que a coleta é feita com o apoio dos fiscais na conferência das rotas dos caminhões. A divulgação dos percursos e horários de coleta depende de estudo em pontos que necessitam maior presença dos garis e dos caminhões coletores", completa.


Manuela Rolim  do JBr

Campo de futebol em Ceilândia se transforma em lixão Campo de futebol em Ceilândia se transforma em lixão Reviewed by Diário de Ceilândia on sexta-feira, maio 01, 2015 Rating: 5

Nenhum comentário

Slider

[recent]

Anuncios!

Diário de Ceilândia © Copyright 2018 - Todos os direitos reservados - diariodeceilandia@gmail.com