Em Ceilândia, Casa do Cantador celebrou os 29 anos


"Faço repente e poesia desde que nasci", garante o potiguar de Encanto (RN), Geraldo Pereira, de 55 anos. Morador de Águas Lindas (GO) há 22 anos, Geraldinho, como é conhecido no meio artístico, frequenta a Casa do Cantador, em Ceilândia, desde a inauguração do espaço, em 1986. "Aqui é a casa da cultura nordestina", destaca o comerciante.

Geraldinho conta que o local já abrigou grandes nomes do repente brasileiro. "Zé Cardoso, Geraldo Amancio, todos passaram por aqui”, elenca o artista. Ele reforça que, além dos cantadores, o espaço abriga forrozeiros, sanfoneiros e outros músicos regionais desde o início das atividades. "Para nós é muito gratificante ter um lugar como esse para chamarmos de casa", declara.

Aos 77 anos, o sanfoneiro Zé Paraíba orgulha-se ao falar de sua trajetória de 55 anos de forró. "Já gravei 65 discos e 740 músicas", afirma. Apadrinhado por ninguém menos que Luiz Gonzaga, com quem tocou de 1957 a 1980, o músico chegou à Casa do Cantador em 1997, por meio do convite do então governador do DF e atual senador Cristovam Buarque (PDT), para fazer uma apresentação. "Toquei aqui (em Brasília) e decidi ficar", explica o sanfoneiro. 

Zé Paraíba, que mora com os dois filhos em São Sebastião, define o lugar como o "coração de Ceilândia". "É aqui que gostamos de ficar, nossa referência, nosso lar", afirma o paraibano de São José de Piranhas. Em 2014, o músico lançou um CD e um DVD em comemoração aos mais de 50 anos de carreira. "Tocar é um vício. Só deixamos a profissão quando morrermos."


Festival
Neste fim de semana, Ceilândia comemorou os 29 anos da Casa do Cantador, na QNN 32, com música, folclore, teatro mamulengo, literatura de cordel e outras expressões artísticas do Nordeste. Só no sábado (21), cerca de 800 pessoas passaram pelo Festival Regional de Cultura Popular, segundo o diretor da casa, Francisco de Assis Chagas Filho.


"Para o ano que vem, esperamos uma grande festa de 30 anos. Além disso, pretendemos trazer de volta projetos como a Sexta do Repente e o Sabadão do Forró", adianta o diretor.

A iniciativa foi da Administração de Ceilândia, da Associação dos Cantadores Repentistas e Escritores Populares do DF e Entorno e da Associação dos Forrozeiros do Distrito Federal, com o apoio da Quadrilha Sanfona Lascada.

História

A Casa do Cantador é considerada o "palácio da poesia e da literatura de cordel" no Distrito Federal. Foi inaugurada em 9 de novembro de 1986 e está localizada na QNN 32, em Ceilândia — região administrativa que concentra a maioria dos imigrantes do Nordeste em Brasília.


O local é palco de apresentações de cantores de repente e embolada, exposições de culinária e cultura nordestina, oficinas de música e trabalhos de inclusão digital. Nas décadas de 1980 e 1990 recebeu nomes como Luiz Gonzaga e Dominguinhos.

O espaço conta também com uma biblioteca batizada em homenagem ao poeta popular cearense Patativa do Assaré, na qual é possível encontrar um grande acervo de cordéis e exemplares de expoentes da literatura nordestina, como Jorge Amado e Ariano Suassuna.

Casa do Cantador
QNN 32, Área Especial, Ceilândia Sul
Visitação de segunda a sexta-feira, das 9 às 18 horas
(61) 3378-5067

Agência Brasília
Em Ceilândia, Casa do Cantador celebrou os 29 anos Em Ceilândia, Casa do Cantador celebrou os 29 anos Reviewed by Diário de Ceilândia on domingo, novembro 22, 2015 Rating: 5

Nenhum comentário

Slider

[recent]

Anuncios!

Diário de Ceilândia © Copyright 2018 - Todos os direitos reservados - diariodeceilandia@gmail.com