Integrantes do PCC são presos no DF



[Por Mara Puljiz, TV GloboPolícia Civil do Distrito Federal cumpre na manhã desta segunda-feira (10), 54 mandados de prisão contra uma célula suspeita de integrar o Primeiro Comando da Capital, o PCC. A megaoperação batizada de “Legião” é realizada no Complexo Penitenciário da Papuda, em São Sebastião, no Centro de Progressão Provisória (CPP), no SIA e nos presídios de Águas Lindas, Luziânia, Planaltina de Goiás e Novo Gama, em Goiás. Nas celas dos alvos, também estão sendo cumpridos mandados de busca e apreensão. A reportagem é da TV Globo Brasília.

Dos 54 alvos, 43 já estão presos por organização criminosa e crimes como tráfico de drogas, de armas, receptação e roubos de veículos, principalmente. Ao todo, 11 estão soltos e seis têm endereço incerto e são considerados foragidos.

Segundo os investigadores, o grupo é hierarquicamente estruturado, com cobrança de impostos e divisão de tarefas – há pelo menos 30 funções para componentes do bando. “Há aquele que coordena tudo, há aquele que tem o papel de difundir as informações do PCC, os que coordenam adolescentes, os que têm a missão de repor as armas, os que coordenam os presos por tráfico de drogas e vão atrás de assistência jurídica e por aí vai”, explicou o delegado.

A operação é coordenada pela Delegacia de Combate ao Crime Organizado (Deco) e conta com apoio de 80 policiais civis, sendo 36 agentes da Divisão de Operações Especiais (DOE) e o restante do Departamento de Polícia Especializada (DPE).

Na última terça-feira (4), policiais da Deco estiveram na Penitenciária de Foz do Iguaçu, no Paraná e apreenderam agendas e anotações com Gilvane de Assis, conhecido também como Deivid e Pablo. De acordo com a polícia, ele era quem ditava as regras para os coordenadores do PCC no DF e Entorno.

PCC no DF

A primeira tentativa de estabelecimento do PCC no DF ocorreu em 2014, quando até então tinha 28 integrantes. De lá para cá, o número de seguidores tem subido, daí a necessidade de constante monitoramento das forças de segurança. O uso de celulares é constante nos presídios, principalmente nos do Entorno de Goiás, o que possibilita uma articulação da organização criminosa e o recrutamento de outros integrantes.

Esta é a terceira operação contra o PCC realizada pela Deco desde 2014. A operação Legião é decorrente de investigações de 2016. Em 2014, os policiais descobriram que integrantes do bando que estavam soltos pagavam até R$ 400 por mês de contribuição para manter a estrutura do PCC. Já os presos comunicavam por meio de celulares e cartas, algumas vezes transportadas pelos seus advogados. Em 2015, por exemplo, na operação Avalanche, duas advogadas acabaram denunciadas e viraram rés em um processo por organização criminosa. Elas são acusadas de extrapolarem o papel profissional para ocuparem o papel de “mensageiras dos criminosos”, levando e trazendo informações do DF para estados de São Paulo, Tocantins, Mato Grosso do Sul e Goiás. Elas ganhavam R$ 4 mil de salário. O processo ainda está em tramitação na 7ª Vara Criminal de Brasília.
Integrantes do PCC são presos no DF Integrantes do PCC são presos no DF Reviewed by Diário de Ceilândia on segunda-feira, abril 10, 2017 Rating: 5

Nenhum comentário

Slider

[recent]

Anuncios!

Diário de Ceilândia © Copyright 2018 - Todos os direitos reservados - diariodeceilandia@gmail.com