Investimento em educação representa 6% do PIB brasileiro, mas desenvolvimento escolar não é bom



O acesso à educação de qualidade para todos os brasileiros é um sonho ainda distante da realidade. Apesar de haver mais conscientização e investimentos, ainda há muito o que avançar. Atualmente, cerca de 6% do Produto Interno Bruto (PIB) é destinado para a educação pública, porcentagem maior que muitos países ricos, porém a diferença está no gasto por aluno que ainda é pouco, conforme dados apontados pelo estudo da Organização Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).
De acordo com o relatório, o gasto do Brasil com educação supera países como Argentina (5,3%), Colômbia (4,7%), Chile (4,8%), México (5,3%) e Estados Unidos (5,4%), inclusive está acima da média dos países que compõem a OCDE, que gira em torno de 5,5%. Mas, mesmo acima de todas as médias, o país está nas últimas posições em avaliações internacionais de desempenho escolar. A constatação é do relatório Aspectos Fiscais da Educação no Brasil, divulgado pela Secretaria do Tesouro Nacional, do Ministério da Fazenda.
Dos 70 países avaliados em 2015, segundo dados do o Programme for international Student Assessment (PIsa), o Brasil ficou na 63ª posição em ciências, na 59ª em leitura e 66ª colocação em matemática, ou seja, ocupa sempre as últimas posições dessa avaliação internacional de desempenho. Segundo o relatório, o problema no Brasil não está no volume dos gastos, mas na necessidade de aprimoramento de políticas e processos educacionais, além de mais investimentos por aluno.
Os problemas da educação pública preocupam muitas famílias, especialmente as que não têm como arcar com instituições de ensino particulares. “Percebo realmente que há um investimento, mas não é bem utilizado. Os alunos acabam sendo reféns pois há o investimento, mas o benefício não é repassado”, pontua o pai de uma aluna de 13 anos que estuda na rede pública de ensino, que prefere não ser identificado.

Em sua avaliação, a precariedade da educação pública brasileira vem prejudicando o aprendizado da filha. “Só não é pior porque sempre acostumamos ela a chegar em casa e procurar mais aprendizado para complementar o que não tem na escola pública”.  Hoje, a filha se destaca na escola, onde é considerada uma boa aluna. “Mas, infelizmente, não foi mérito da escola. O que fez a diferença foi o complemento que sempre buscamos em sites de educação como reforço às aulas”, explica.  Ele ainda destaca que só mantém a filha na escola pública devido a uma crise financeira familiar. “A falta de professores e compromisso das escolas públicas me faz querer muito tirar ela de lá e matricular em uma escola particular”, planeja.

Samanta Rodrigues, autônoma e formada em Gastronomia, tem dois filhos matriculados na rede particular de ensino, e sabe muito bem o preço para mantê-los atualmente.  “Considero muito alto o valor que precisamos investir em educação, principalmente porque eu não morava na capital. Quando passei a morar com meus filhos em Salvador, senti essa diferença. Porém, tentamos ao máximo priorizar os estudos deles. Hoje os gastos com meus dois filhos comprometem 30% do valor da renda da família”, pontua.

Os filhos de Samanta, Ícaro, de 15 anos, e Ana Beatriz, de 8 anos, contam com o auxílio da bolsa de estudo do Educa Mais Brasil com desconto de 50% cada. “Já é uma ajuda muito grande. Se não fosse essa bolsa, teria que procurar escolas mais em conta ou talvez nem teria essa oportunidade de eles estarem estudando em colégios particulares de qualidade”. Apesar de ter esse desconto, Samanta pontua que gostaria de estar investindo o valor economizado em mais educação para seus filhos. “Mas, infelizmente, o que economizamos com o desconto da bolsa acaba cobrindo outras despesas familiares”.

Bolsas de estudo é alternativa

Assim como a família de Samanta, muitas famílias brasileiras passam pelo mesmo dilema de querer ofertar uma educação de melhor qualidade a um preço que caiba no bolso. As bolsas de estudo vêm sendo alternativa no ingresso em escolas particulares. Uma das opções é Educa Mais Brasil, maior programa de inclusão educacional do país. Pais interessados em inscrever filhos menores devem acessar http://www.educamaisbrasil.com.br/diariodaceilandia para pesquisar as instituições parceiras com vagas disponíveis.   

Vanessa Casaes – Ascom Educa Mais Brasil

Investimento em educação representa 6% do PIB brasileiro, mas desenvolvimento escolar não é bom Investimento em educação representa 6% do PIB brasileiro, mas desenvolvimento escolar não é bom Reviewed by Diário de Ceilândia on domingo, julho 22, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário

Slider

[recent]

Anuncios!

Diário de Ceilândia © Copyright 2018 - Todos os direitos reservados - diariodeceilandia@gmail.com