Apesar de 'mesada' de R$ 13 bi da União, Sol Nascente em Ceilândia não conta com serviços públicos essenciais


Localizada a 30 quilômetros da Praça dos Três Poderes, a comunidade Sol Nascente compete em tamanho com a Rocinha, no Rio.
Com estimados 100 mil habitantes, entre seus poucos serviços públicos em uma área equivalente a mil campos de futebol constam três escolas e uma unidade básica de saúde.
Não há nenhuma delegacia e grande parte das casas não tem esgoto e ocupa ruas sem asfaltamento, onde há sujeira por todo lado devido à precariedade na coleta de lixo.
A Sol Nascente fica em Ceilândia, região administrativa do GDF (Governo do Distrito Federal), que não faz parte do Ranking de Eficiência dos Estados - Folha por ser um território diminuto e sem municípios para dividir obrigações na saúde e educação, como ocorre nos estados.
Mas a maior diferença é que o GDF recebe uma espécie de "mesada" da União, o que ajuda a justificar o apelido de "ilha da fantasia" de Brasília.
Em 2017, o valor do Fundo Constitucional do Distrito Federal (criado em 1988 e regulamentado em 2002) chegou a R$ 13 bilhões, mais do que a receita corrente líquida individual de 14 estados brasileiros.
O fundo paga todos os policiais civis, militares e bombeiros e grande parte dos servidores na saúde e educação.
Quase a metade dos rendimentos de ativos, inativos e pensionistas do GDF é coberta pelo dinheiro do fundo.
Salários de R$ 18 mil para médicos e R$ 8.700 no magistério público, entre outras categorias, fazem com que a média de todos os rendimentos no GDF, onde há proporcionalmente mais servidores, seja 87% maior do que a nacional (R$ 4.100 ante R$ 2.200).
A alta renda e o dinheiro extra da União permitem que o GDF tenha indicadores elevados nas áreas de saúde, educação, infraestrutura e segurança. Seu ponto fraco é justamente as finanças, por conta da folha de pagamentos.
"O GDF tem condições financeiras espetaculares, como um quarentão que continua morando com os pais. Mesmo assim, fez a gracinha de quase falir", diz Cláudio Hamilton dos Santos, pesquisador do Ipea, sobre a recente crise financeira do governo local.
Por conta de uma série de aumentos ao funcionalismo e problemas de gestão até 2014, o GDF chegou a ficar sem dinheiro em caixa para pagar os salários em dia.
O governo atual acabou cancelando uma série de reajustes prometidos e enfrentou 32 categorias em greve antes de regularizar as contas.
Nos últimos três anos, conseguimos viver com menos do que arrecadamos e haverá zero aumento para o funcionalismo em quatro anos, diz Leany Lemos, ex-secretária de Planejamento do GDF.
Segundo ela, uma das principais iniciativas da gestão foi priorizar a infraestrutura no Sol Nascente, com cerca de R$ 400 milhões em investimentos programados.
Apesar de 'mesada' de R$ 13 bi da União, Sol Nascente em Ceilândia não conta com serviços públicos essenciais Apesar de 'mesada' de R$ 13 bi da União, Sol Nascente em Ceilândia não conta com serviços públicos essenciais Reviewed by Douglas Protázio on domingo, agosto 19, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário

Slider

[recent]

Anuncios!

Diário de Ceilândia - O Portal de Notícias de Ceilândia © Copyright 2018 - Todos os direitos reservados