Felicidade pode ser ensinada?



Imposição de tarefas, jornadas exaustivas, cobranças excessivas. Todo estudante já passou por algumas dessas situações no ambiente acadêmico. Mas o que poucas pessoas sabem é que essas pressões podem estar diretamente ligadas ao desenvolvimento de depressão, ansiedade e tristeza. A Universidade de Brasília (UNB) passa por um situação parecida no Campus Gama. Lá os alunos não têm encontrado motivos para sorrir. 

O Gama é o polo de cinco engenharias: automotiva, energia, eletrônica, aeroespacial e software. Esse campus fica a 35km da capital federal e, por conta disso, os futuros engenheiros ficam afastados do convívio com familiares e outras áreas do conhecimento. A consequência é o grande número de desistências e, alguns casos, de depressão por conta do excesso de disciplinas, provas e outras atividades acadêmicas.

Foi diante desse cenário que a felicidade foi parar na grande curricular da UNB. Essa disciplina já existe nas universidades americanas de Harvard e Yale, que foram as pioneiras. Na UNB, a iniciativa partiu do professor Wander Pereira, doutor em Psicologia e docente do curso de Engenharia de Software. “Essa ideia foi fortalecida também com a Comissão de Saúde Mental. Juntos, percebemos as dificuldades do alunos e a necessidade de ações como essa”, explicou.

Wander reconhece que a felicidade não é um estado permanente e que é um sentimento que depende de muitos fatores. “Não vamos apresentar uma receita pronta, mas vamos oferecer ajuda para que sozinhos eles aprendam a desenvolver estratégias para enfrentar este tipo de situação. Muitos também confundem um momento de tristeza e angústia com depressão. Por isso, vamos exercitar bastante o autoconhecimento, para que eles consigam compreender essas diferenças”.

Para a primeira turma de felicidade, foram oferecidas 240 vagas, que já foram preenchidas na fase de pré-matrícula. “A disciplina pode ser cursada por alunos de qualquer graduação e campus. Apesar de constar na grande dos cursos de engenharia, ela é um disciplina optativa”, informou.

Com um carga horaria de 60 horas, a disciplina da felicidade não contará com provas. Tudo que será necessário para conclui-la é criar qualquer produto que gere felicidade no campus. “Os alunos que vão cursar a matéria terão a missão de conhecer os outros estudantes, conversar com eles, entendê-los para criar esse produto. Pode ser qualquer coisa, uma peça teatral, uma música, um aplicativo. O importante é tornar tudo mais leve e feliz”, adiantou o professor.

A expectativa de Wander para o início da disciplina – que começa agora em agosto, quando volta as aulas do segundo semestre de 2018 – é bem positiva. “Eu não me sinto sozinho, estou recebendo muito apoio. Tanto dos coordenadores e professores da UNB, como de pessoas de fora. Eu não tinha ideia da repercussão que a iniciativa iria provocar. É muito bom ver que as pessoas se interessam por esse assunto. Não é um trabalho fácil, não sabemos o que vamos encontrar e como os estudantes vão reagir, mas esse apoio ajuda muito”, conclui otimista.

Fonte: Bárbara Maria – Ascom Educa Mais Brasil

Felicidade pode ser ensinada? Felicidade pode ser ensinada? Reviewed by Douglas Protázio on quarta-feira, agosto 08, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário

Slider

[recent]

Anuncios!

Diário de Ceilândia © Copyright 2018 - Todos os direitos reservados - diariodeceilandia@gmail.com