Colonização de povos no mundo inteiro inspira novo espetáculo da Cia Lumiato em Ceilândia


No dia 12 de setembro, a Cia Lumiato – única companhia que trabalha exclusivamente com teatro contemporâneo de sombras na região Centro-Oeste – estreia “2 Mundos”, no Teatro Newton Rossi (SESC Ceilândia), em dois horários: às 15h e 20h. Inspirado na colonização da América e dos territórios do mundo todo, o espetáculo conta com patrocínio do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) e traz a história do encontro de duas culturas opostas, que atribuem ao ouro significados distintos e conflitantes. Depois de Ceilândia, as apresentações seguem para o Teatro Paulo Gracindo (SESC Gama |14/9), Teatro Yara Amaral (SESI Taguatinga | 19/9) e Teatro Garagem (SESC Brasília | 20 e 21/9). A entrada é franca e a classificação indicativa é 10 anos.
Em “2 Mundos”, o espectador entra no espaço cênico, ampliando a percepção dos sentidos e vivendo de perto a performance dos atores sombristas Thiago Bresani e Soledad Garcia. Nesta montagem dirigida por Alexandre Fávero, a companhia se debruça na linguagem do teatro de sombras moderno e utiliza a estética do cubismo para complementar a narrativa das imagens que contam a história. Sem fazer uso da palavra, explora recursos audiovisuais, sendo a música fundamental para aprofundar os diferentes sentimentos que atravessam as cenas e chegar a um clima de intimidade com o espectador.
O simbolismo do ouro
Thiago Bresani, ator sombrista que divide o palco e a direção da Cia Lumiato com Soledad Garcia, explica que a cor brilhante e luminosa do ouro está intimamente relacionada com o astro Sol, o fogo e são encontradas citações em diferentes culturas pelo mundo. Essas raízes históricas, de acordo com ele, foram o ponto de partida para a narrativa do novo espetáculo da Cia Lumiato, pois possibilitam traçar uma linha que percorre o tempo e o espaço, conduzindo o espectador pelo universo simbólico desse mineral.
“O ouro é associado, no decorrer da narrativa, a fatos históricos, ao desenvolvimento de culturas ricas em espiritualidade, a processos de colonização, ao extermínio de povos ancestrais até os dias de hoje, onde é possível criar paralelos com o consumo, a ganância, o trabalho escravo e a desigualdade social baseada na posse”, ressalta.
Soledad Garcia – que assina a ideia original e argumento do espetáculo, além de ser atriz sombrista e roteirista – lembra que o ouro dessas sociedades primitivas era altamente procurado não por seu valor material, mas por seu poder espiritual, a sua conexão com divindades e a capacidade de trazer equilíbrio e harmonia para todo o povo.
“O ouro não simbolizava prosperidade, mas sim uma oferenda. Da mesma forma, o teatro faz do seu ritual artístico uma oferenda ao público. Nessa nova montagem com o teatro de sombras, a Cia Lumiato pretende revelar e oferecer pepitas escondidas, colocando-as sob a luz do sol de várias nações que tiveram suas crenças massacradas e conhecimentos extintos pela ganância do colonizador estrangeiro”, destaca.
Por fim, a dupla conta que trata de forma poética os encantos que o ouro possuía para esses sábios povos que buscavam uma relação sagrada com a natureza. “Utilizamos a força simbólica da sombra para mostrar o lado perverso do homem que busca riqueza e poder, se valendo da violência para subjugar seus inimigos e superar seus obstáculos”, diz Thiago Bresani. 
“A narrativa que criamos não indica uma data exata, um único lugar, um só povo, um personagem específico ou uma lenda em especial, mas apresenta personagens em situações limite, onde valores como a liberdade, amor, respeito, fé e felicidade são colocados em jogo, entrando em choque com outro tipo de cultura”, conclui Soledad Garcia. 
A partir dessa tensão histórica, cultural e universal, o roteiro explora o conflito dramatúrgico para revelar o quanto se pode ir fundo quando se deseja o poder, a riqueza, o sucesso e a prosperidade a qualquer preço. Cada lado possui os seus motivos, suas crenças e ninguém sairá ileso no final da história.

Processo de criação
“O que nos impede de tentar e errar? A ignorância. O medo. A dúvida. A incapacidade. Descobrir algo exige determinação, foco e coragem nas decisões. O mundo foi ocupado e construído por ações muitas vezes delirantes. Mas como ser diferente? Estamos vivos para contar uma história onde cada um de nós é parte fundamental em que a coragem cria mundos, o conhecimento vence obstáculos, a sensibilidade faz poesia e a persistência nos revela que a sombra é uma aliada poderosa. Com ela viajamos juntos, a qualquer momento, para todos os lugares”.
Alexandre Fávero – Diretor do espetáculo 2 Mundos
  
“Nos lançamos ao oceano das sombras, conduzidos pela luz que ilumina nossos caminhos e que nos guia por uma cartografia luminosa que vai sendo criada a cada novo dia e noite, juntando o sul e o norte dos nossos mapas. A cada novo traço transformado em desenho, em silhueta, em sombra, em sonho... e assim criamos 2 Mundos”.
Fabiana Bigarella – Assistente de Direção do espetáculo 2 Mundos
A Companhia:
Com um currículo expressivo de apresentações em festivais nacionais e internacionais, a Cia Lumiato vem se tornando referência no teatro de sombras. Não por acaso: o jogo de luz e sombras, cores e movimentos dos atores-sombristas propõe a narrativa para a contação das histórias.

A companhia foi criada em 2008, em Buenos Aires (Argentina), pelos atores Thiago Bresani e Soledad Garcia. Ambos são formados pelo curso de teatro de bonecos da Universidade de San Martin, onde estudaram várias linguagens do teatro de formas animadas, produzindo espetáculos, oficinas e se apresentando em festivais da América Latina. A partir de 2012, passaram a pesquisar e produzir espetáculos de teatro de sombras contemporâneo, firmando-se como único grupo da região do Centro-Oeste brasileiro dedicado à técnica.

“Iara – O encanto das águas” foi premiado em 2014 com melhor direção, dramaturgia e trilha sonora, no Prêmio SESC do Teatro Candango/2014, concorrendo com produções de diversos gêneros. Foi ganhador ainda do prêmio destaque de melhor espetáculo estrangeiro, na Argentina (Prêmio ATINA/2014), e na categoria melhor espetáculo de teatro de animação/bonecos do 43º FENATA - Festival Nacional de Teatro de Ponta Grossa/PR.

Ficha técnica:

Direção, cenografia e iluminação: Alexandre Fávero
Ideia original e argumento: Soledad Garcia
Roteiro: Alexandre Fávero, Fabiana Bigarella, Soledad Garcia e Thiago Bresani
Sombristas:  Soledad Garcia e Thiago Bresani
Coordenação geral: Cia Lumiato
Assistente de direção: Fabiana Bigarella
Pesquisa e construção do material cênico:  Soledad Garcia e Thiago Bresani
Trilha sonora: Mateus Ferrari
Designer de som: Marcelo Dal Col
Figurinos: Soledad Garcia
Fotografia: Diego Bresani
Criação gráfica:  Felipe Cavalcante, Gabriel Menezes e Luã Leão
Produção: Thiago Bresani
Assistentes de produção: Soledad Garcia e Luênia Guedes

Serviço:

12 de setembro
Horário: 15h e 20h
Local: Teatro Newton Rossi (SESC Ceilândia)
Endereço: QNN 27 Área Especial Lote B, Ceilândia Norte

14 de setembro
Horário: 10h e 15h
Teatro Paulo Gracindo (SESC Gama)
Endereço: SIND QI 1 - Pte. Alta Norte (Gama)

19 de setembro
Horário: 15h e 20h
Local: Teatro Yara Amaral (SESI Taguatinga)
Endereço: QNF 24 Área Especial - Taguatinga Norte

20 de setembro
Horário: 20h
Local: Teatro Garagem (SESC Brasília)
Endereço: SEPS 713/913, lote F

21 de setembro
Horário: 15h e 20h
Local: Teatro Garagem (SESC Brasília)
Endereço: SEPS 713/913, lote F

Limite de público: 100 pessoas
Entrada franca
Classificação indicativa: 10 anos
Colonização de povos no mundo inteiro inspira novo espetáculo da Cia Lumiato em Ceilândia Colonização de povos no mundo inteiro inspira novo espetáculo da Cia Lumiato em Ceilândia Reviewed by Douglas Protázio on segunda-feira, setembro 03, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário

Slider

[recent]

Anuncios!

Diário de Ceilândia - O Portal de Notícias de Ceilândia © Copyright 2018 - Todos os direitos reservados