Redes sociais: Conversando sobre o YouTube com seus filhos!

Redes sociais: Conversando sobre o YouTube com seus filhos!

Um dos principais públicos da plataforma de vídeo é o infantil. Dos 100 canais mais vistos no Brasil, 36 deles têm conteúdo direcionado ou consumido por crianças de zero a 12 anos, totalizando mais de 17 bilhões de visualizações.

Isso explica o sucesso do YouTube Kids, voltado para a faixa de dois a oito anos, que possui mais de 11 milhões de usuários ativos semanalmente.

As crianças enlouquecem com as redes sociais, principalmente o YouTube. É onde eles se dirigem para notícias, entretenimento, humor e até mesmo conhecimento sobre tópicos que vão desde as operações matemáticas ao como jogar Minecraft. Mas para as coisas divertidas no YouTube, existem também o conteúdo inadequado de anúncios a comentários negativos, palavrões e incitação ao ódio entre outras coisas que preocupam muitos pais.

No entanto, não há como filtrar todos os idiomas incorretos, vídeos impróprios para a idade ou comentários negativos de usuários no YouTube.

O Google, a empresa mãe do YouTube, tem uma filosofia orientadora de uma web aberta, onde quase tudo é permitido, a menos que seja ilegal, prejudicial ou extremamente ofensivo. 

Instituto PENSI, reuniu 5 dicas de recursos internos para tornar o youtube mais seguro para as crianças:

1- Use listas de reprodução:
Quando seus filhos fizerem login no YouTube, eles verão as playlists que você criou e poderão assisti-los, em vez de assistir ao que aparecer aleatoriamente ou pesquisando. As listas de reprodução também reformatam a seção para cima, para que seus filhos vejam apenas o próximo vídeo da lista e não um vídeo relacionado selecionado de forma indiscriminada.

2- Inscreva-se nos canais que você gosta:
Ao inscrever-se nos seus canais favoritos ou que você acha adequado aos seus filhos pequenos, eles são adicionados ao seu feed, para que as crianças possam clicá-los facilmente quando fizerem login. A inscrição também ajuda o YouTube a determinar outros vídeos semelhantes que você pode gostar.

3- Ativar modo restrito:
Nas configurações da sua conta do YouTube (o pequeno símbolo de engrenagem), ative o Modo restrito na parte inferior da página. Isso deve reduzir algumas das coisas inapropriadas para a idade.

4- Desativar a reprodução automática:
Os vídeos relacionados ao lado do vídeo principal que você está assistindo serão reproduzidos automaticamente, a menos que você desative a Reprodução automática. Desligar isso impede que um vídeo potencialmente impróprio para a idade seja reproduzido.

5- Use um bloqueador de vídeo:
Os bloqueadores de vídeo para download são criados por terceiros. Você pode adicioná-los ao seu navegador e configurá-los para bloquear vídeos por canal, assunto ou palavras-chave

Entretanto, quando se está na internet e nas redes sociais, não há punição imediata para os atos. Não é como quando os pais dão bronca quando veem a criança fazendo algo de errado para ela entender que aquilo não está certo. Então parece que tudo é permitido, porque demora para a criança perceber as consequências.

Outra preocupação é em relação à publicidade infantil. O Instituto Alana, uma ONG de proteção da infância, denunciou ao Ministério Público mais de 20 empresas nos últimos três anos, afirmando que elas se aproveitam da fama dos pequenos youtubers para promover ações de marketing voltadas diretamente a crianças menores de 12 anos – algo que, por lei, é proibido.

Qualquer anúncio de produtos ou serviços para os pequenos deve ser direcionado aos pais, independentemente da plataforma em que é veiculado.
As redes sociais, em especial o Youtube, veio para ficar, cabe aos pais e cuidadores tomarem as precauções para que isso não afete às crianças e evitem conteúdo inapropriado para seus padrões morais.

Imagem reprodução web
Redes sociais: Conversando sobre o YouTube com seus filhos! Redes sociais: Conversando sobre o YouTube com seus filhos! Reviewed by Douglas Protázio on segunda-feira, outubro 22, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário

Slider

[recent]

Anuncios!

Diário de Ceilândia - O Portal de Notícias de Ceilândia © Copyright 2018 - Todos os direitos reservados