Assédio, falta de condições de trabalho e muito improviso para atender a população em UBS de Ceilândia

Assédio, falta de condições de trabalho e muito improviso para atender a população em UBS de Ceilândia

Na manhã desta terça-feira (16), a Direção do SindSaúde esteve na Unidade Básica de Saúde 1, em Ceilândia. Diversas são as irregularidades encontradas pela presidente Marli Rodrigues durante a visita. O espaço físico utilizado não proporciona as condições necessárias para um atendimento de qualidade aos pacientes. Quatro equipes dividem um espaço improvisado há 5 anos e atendem toda a população do Sol Nascente trecho 2.
À presidente Marli Rodrigues, os servidores denunciaram que sofrem perseguições e opressão da gestão da unidade. De acordo com os trabalhadores, é costume das chefias tratar os servidores no grito.
Servidores relatam que a frase “Vamos resolver ali em baixo” era frequentemente usada na gestão da ex-gerente, Cleocilene Andrade, o que era uma indireta, que dava a entender que devolveria o servidor para o setor de origem. “Houve um caso em que a chefia incitou o paciente contra o servidor que estava em atendimento externo com as equipes na rua fazendo visitas, resultando em um ataque furioso do paciente que jogou o carro contra o servidor”, destacou.
Em vídeo gravado pelo SindSaúde, é possível ver a quebra dos protocolos estabelecidos pela Secretaria de Saúde, como é o caso da pia que é usada para esterilizar os instrumentos de trabalho. Ou então a situação da pediatria que é separada do banheiro por uma divisória simples, levando risco aos pacientes.
Segundo denúncia dos servidores, a unidade não possui ponto de oxigênio, por isso os pacientes que lá ficam internados precisam de balões de oxigênio, que por sua vez, segundo relatos, constantemente estão com problemas nas válvulas. Também não possui sala de vacina, não faz curativo e não tem farmácia.

Autoritarismo
Quando a presidente do SindSaúde, Marli Rodrigues, chegou à UBS 1 de Ceilândia, houve tentativa de barrar a entrada da direção. A postura foi pós da senhora Fernanda Dutra Macedo, supervisora de Serviços de Atenção Primária da unidade. O sindicato não se intimidou e continuou sua visita e conversa com os servidores do local. Leia aqui matéria completa sobre o ocorrido. 
Fonte: SindSaúde
Assédio, falta de condições de trabalho e muito improviso para atender a população em UBS de Ceilândia Assédio, falta de condições de trabalho e muito improviso para atender a população em UBS de Ceilândia Reviewed by Diário de Ceilândia on terça-feira, abril 16, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário

Slider

[recent]

Anuncios!

Diário de Ceilândia - O Jornal Comunitário de Ceilândia © Copyright 2019 - Todos os direitos reservados