Garis trocam vassouras por salas de aula para aprender a ler e escrever

Garis trocam vassouras por salas de aula para aprender a ler e escrever

Ler uma placa, notas de dinheiro, mensagens de texto ou o letreiro do ônibus pode parecer tarefa fácil, mas não é para muitos varredores e coletores de Brasília. Em função disso, a Sustentare Saneamento, em parceria com a Universidade Católica de Brasília (UCB), inicia, amanhã (2), o curso de alfabetização de garis. Serão três turmas com 50 colaboradores ao todo e duração de nove meses.

Levantamento do Departamento de Recursos Humanos da Sustentare de Brasília aponta que dos 2.700 garis da empresa, cerca de 60% são analfabetos ou não concluíram o ensino primário. “Além de proporcionar uma vida mais digna, a alfabetização é muito importante para aumentar o engajamento dos funcionários, as chances de promoção e diminuir os riscos de acidentes”, afirma Williani Carvalho, Coordenadora de Projetos e Desenvolvimento Humano da Sustentare e também professora do projeto.

Este é o quinto ano em que o projeto é realizado. Até o momento, 167 garis foram alfabetizados. A metodologia do curso foi desenvolvida pela UCB, por meio do projeto filantrópico “Alfabetização Cidadã”, que atende jovens e adultos não alfabetizados.

Além de Williani Carvalho, os professores Luiz Filipe Arruda e Amanda Teles são funcionários da Sustentare e fizeram o curso de capacitação de educador promovido pela universidade. “Todas as quintas-feiras temos reuniões pedagógicas com a coordenação da UCB onde falamos sobre a evolução e as dificuldades encontradas. A partir daí nasce o planejamento das aulas seguintes, que são lúdicas e envolvem a realidade vivida pelos garis”, comenta Amanda Teles.

Três turmas acontecerão na DL Sul. A Turma A será às terças e quintas das 13h às 14h15, a Turma B às quartas e sextas das 14h às 15h15 e a Turma C às quintas e sextas das 14h às 15h15.

A Sustentare viabilizou o mobiliário das salas de aulas e é responsável por custear os alfabetizadores. A UCB fornece a metodologia e os materiais escolares e o Serviço de Limpeza Urbana do Distrito Federal (SLU-DF) cedeu os espaço físicos e autorizou que os alunos estudassem durante o horário de trabalho, contribuindo para reduzir a evasão escolar.

Após a conclusão do curso, os alunos participarão de formatura promovida pela UCB, com o apoio da Sustentare, e serão encaminhados à rede pública de ensino para darem continuidade aos estudos.
Garis trocam vassouras por salas de aula para aprender a ler e escrever Garis trocam vassouras por salas de aula para aprender a ler e escrever Reviewed by Diário de Ceilândia on terça-feira, abril 02, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário

Slider

[recent]

Anuncios!

Diário de Ceilândia - O Jornal Comunitário de Ceilândia © Copyright 2019 - Todos os direitos reservados