10 sinais que indicam um negócio em crise

10 sinais que indicam um negócio em crise

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Atualmente estamos convivendo com uma dura crise econômica e política no Brasil, jamais vista em períodos anteriores. Infelizmente as notícias não são animadoras, empresas têm encerrado as atividades, tem ocorrido o aumento na taxa de desemprego, alta da inflação, alta da taxa de juros, queda do PIB, aumento de impostos, entre outros. A crise nos negócios é uma realidade.

A falta de sinalização do governo de como o país está e para onde está indo também tem preocupado. Afinal, não temos um governo com um planejamento de médio e longo prazo definido.

Em matéria publicada no portal Pequenas Empresas & Grandes Negócios, era mostrado que a crise nos negócios estava levando muitos empreendedores a buscarem crédito fora dos bancos, utilizando como alternativa a possibilidade do crédito mercantil.

O aumento nas taxas de inadimplência entre as pequenas e médias empresas não tem deixado muitas opções aos empresários, que não contraem financiamento junto ao bancos por conta da alta de juros, sendo assim, só resta o financiamento junto aos fornecedores.

O que dificulta o empréstimo junto aos bancos dentre os micro e pequenos negócios é o capital de giro escasso. Afinal, como é possível driblar a crise nos negócios? O consultor empresarial, Marcelo Viana, acredita que primeiramente é necessário identificar os sinais que indicam a crise:

“Primeiro é necessário prestar atenção aos indicativos de que há uma crise, depois disso, o empreendedor pode começar a pensar em possíveis soluções para reverter o problema.”

10 sinais de que a crise chegou à empresa

Confira os sinais de que um negócio não vai bem, segundo Viana:

1 – Queda no volume de vendas – Ocorre por conta da instabilidade econômica, falta de confiança e medo da perda do emprego;

2 – Redução das Margens de Lucros – Com mercado consumidor bastante restrito e forte concorrência por conta do consumidor, o empreendedor se sente obrigado a rever os preços praticados;

3 – Aumento da inadimplência – Como já mencionado acima, em momentos de crise econômica é natural que este índice cresça, em virtude da queda das vendas, queda da renda e perda do emprego;

4 – Aumento dos custos – É evidente que algumas empresas (as que conseguem), estão embutindo ao preço dos produtos/serviços a alta da inflação, dólar e risco;

5 – Negociações frequentes – Quando as negociações junto a fornecedores, clientes e bancos tornam-se frequentes, demonstram sinais claros de que a zona de conforto já não existe mais, afetando o caixa e os resultados;

6 – Falta de Capital de Giro – No momento em que as obrigações das operações do dia a dia começam a sofrer atrasos, são sinais da falta de caixa gerados na operação. Sendo assim, é preciso captar recursos junto a sócios ou bancos;

7 – Taxas de juros elevadas – Que são bem perceptíveis para aqueles que utilizam linhas de crédito de acesso rápido como ‘Conta Garantida’ ou até mesmo para aqueles que precisam financiar o seu capital de giro;

8 – Necessidade de corte de despesas – Com a queda nas vendas e com perspectiva de retomada a médio e longo prazo, a pessoa se vê obrigada a tomar algumas atitudes, como: cortar despesas, cortar pessoal, renegociar contratos e rever o formato do negócio;

9 – Perda de confiança – No momento de instabilidade econômica e principalmente política, o empresário sente-se inseguro ao realizar novos investimentos, projetos de expansão, contratações em razão de um futuro indefinido;

10 – Falta de planejamento – O empreendedor percebe que não estava preparado para enfrentar a crise e também compreende a importância de criar o hábito de montar um planejamento para a sua empresa, para minimizar estes efeitos danosos da crise, reduzindo ao máximo as perdas dos ativos.

Crise nos negócios como oportunidade?

Sim, em momentos de instabilidade e crise nos negócios, muitos empreendedores acabam encontrando alternativas não apenas para sair do caos, mas para inovar. A saída da zona de conforto leva muitos negócios a mudarem as suas estratégias internas, a fim de se recuperarem, e mais do que isso, a crescerem.

“Nesse momento, é indicado procurar ajuda de uma consultoria especializada, que pode trazer uma visão ampla sobre o que está causando os problemas no negócio e o que poderia ser feito para contornar a situação”, finaliza o consultor.

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: