Atenção redobrada: boneca Momo volta a preocupar pais

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Atenção redobrada: boneca Momo volta a preocupar pais

Em agosto do ano passado, muita gente conheceu
a sua aparência: rosto cadavéricos com traços femininos, olhos grandes
assustadores, cabelos pretos e corpo de pássaro. Conhecida como Momo, a
“boneca”, surgiu em números perfis de whatsapp com supostas previsões
assustadoras. Agora, de acordo com relatos na internet, a boneca Momo aparece
em vídeos infantis populares na plataforma YouTudeKids, interrompendo as
imagens e dando ordens para que os pequenos cometam atos de automutilação.

A psicólogae
pós-graduanda em Neuropsicologia, Flávia Brandão Bomfim, explica que as crianças
são um público-alvo “fácil”, além de possuírem dificuldade em saber diferenciar
os limites de determinados conteúdo. “As crianças possuem muito tempo livre e,
na maioria das vezes, utilizam os aplicativos da internet sem nenhum tipo de monitoramento
do pais. Vale ressaltar também que esses desafios são bem elaborados, chamam
atenção. E as crianças não sabem diferenciar o que é uma brincadeira boa da
ruim”, destaca a especialista.

Também pesquisadora da área de educação, a psicóloga acredita que – além das famílias
– o espaço escolar precisa oferecer constantemente ensinamentos e exemplos de
como os alunos devem fazer uso da internet. “Acredito que depois desse jogo os
pais vão prestar mais atenção no que os filhos assistem e o que fazem na
internet. E o papel da escola é estar sempre conscientizando os jovens para os
benefícios e malefícios das redes sociais”, ressalta a psicóloga Flávia.

Órgãos de fiscalização de alguns estados
começaram a reagir com ações contra a inserção da boneca em conteúdos infantis.
Na Bahia, por exemplo, o Ministério Público notificou tanto o Google, quanto o
WhatsApp para que retirem os materiais relacionados à boneca. As notificações
foram encaminhadas por meio do Núcleo de Combate a Crimes Cibernéticos
(Nucciber).
Fonte: Agência
Educa Mais Brasil

Veja mais:

LEIA TAMBÉM -   Hospital Regional de Ceilândia cria ambulatório para servidores com suspeita de Covid-19

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: