Cerca de 20 mil escolas públicas participam da Olimpíada de Matemática para o ensino fundamental

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Cerca de 20 mil escolas públicas participam da Olimpíada de Matemática

A
1ª Olimpíada Brasileira de Matemática
das Escolas Públicas (Obmep) Nível A tem início nesta terça-feira (30) em todo
o país. Cerca de 20 mil escolas participam e, juntas, somam mais de 1,5 milhão
de estudantes do quarto e do quinto ano do ensino fundamental. Realizado pelo
Instituto de Matemática
Pura e Aplicada (Impa), o torneio tem apoio do Ministério da Educação (MEC), da
Sociedade Brasileira de Matemática (SBM) e do Ministério da Ciência,
Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).
Durante
a competição, os estudantes respondem a 20 questões objetivas que dão destaque
para raciocínio lógico e seguem
parâmetros curriculares nacionais. O tempo destinado à resolução é de 1h30. “Eu
considero muito importante essa iniciativa e as ações pedagógicas criadas para
estimular e até descobrir grandes talentos na área”, destaca a pedagoga
Daniele Gomes, de 39 anos, coordenadora Pedagógica do Colégio Heitor Villa
Lobos, unidade Camateí.
Embora
a instituição não participe dessa edição da Olimpíada de Matemática, já que integra a rede privada, existem
diversas ações desenvolvidas ao longo do ano letivo para desenvolver
competências matemáticas. “Nós trabalhamos muito com o raciocínio
lógico-matemático, que eu acho crucial. Realizamos competições de tabuada,
olimpíadas internas, disputas interclasse, chamada oral ao final de cada
bimestre”, enumera a profissional, que é também especialista em Gestão Escolar e em Psicopedagogia Clínica e Institucional. As atividades são desenvolvidas ao logo do ano,
com projetos diferentes a cada bimestre.
Outro
ponto importante é a aplicação de simulados da disciplina desde o 1º ano do
ensino fundamental I até a última série do ensino médio. “Nós podemos mensurar
com mais detalhe o desempenho individual, o rendimento geral da turma e também
do professor. Isso é feito por meio
de relatórios que o nosso sistema de ensino nos encaminha para trabalharmos
juntos e mediarmos todas as dificuldades apresentadas naquela série ou
segmento” explica a docente.
Os estudantes também realizam simulados de vestibulares em
geral; da Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest), que seleciona
estudantes para a Universidade de São Paulo (USP); e do
Exame Nacional do Ensino Médio (Enem),
que viabiliza o ingresso em instituições públicas de ensino superior por meio
do Sistema de Seleção Universitário (SiSU).
Segundo
com a organização, os objetivos da edição 2018 foram ampliados e incluem “estimular
o estudo da matemática, contribuir
para a melhoria da qualidade da educação básica, identificar jovens talentos e
promover inclusão social”.  
Tunísia Cores – Ascom Educa Mais Brasil
*Esse artigo é um publieditorial

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: