Financiamento e bolsa de estudo: 36,2% dos concluintes firmaram contratos para a graduação

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Financiamento e bolsa de estudo: 36,2% dos concluintes firmaram contratos para a graduação
Entre 467.627 concluintes do
ensino superior que responderam ao questionário socioeconômico do Exame
Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), 36,2% afirmaram ter contratado bolsa de estudo e/ou financiamento ao longo da graduação. O
percentual equivale a aproximadamente 169.281 pessoas. Entre os que não
adotaram nenhuma das duas formas de pagamento, 155.720 fizeram cursos gratuitos
e 142.626 estudaram em cursos pagos e arcaram com as mensalidades.

O Fundo de Financiamento
Estudantil (Fies) foi a única opção de
pagamento adotada por quase metade dos 169.281 estudantes – mais precisamente,
por 14,3% – o que representa a modalidade mais contratada. Em segundo lugar,
aparecem as bolsas de estudo ofertadas pelas próprias instituições de ensino,
com aproximadamente 11.850 pessoas (7%). Bolsas integrais do Programa
Universidade para Todos (Prouni), que representam 6,2% das adesões, fecham as
três principais modalidades.

Prouni parcial


O Prouni também oferta bolsas
parciais de 50% na mensalidade para estudantes que têm renda familiar entre 1,5
e três salários mínimos por pessoa. Entre os respondentes do Questionário do
Estudante do Enade, 5.611 pessoas (1,2%) contrataram apenas o Prouni parcial. Por outro lado, 3.273
estudantes (0,7%) optaram por complementar o pagamento da mensalidade com o
Fies, mesmo já utilizando a bolsa parcial do Prouni.

Bolsa de estudo


Ao desconsiderar os programas de
governo, as bolsas de estudo oferecidas por empresas, Organizações
não-Governamentais e demais entidades viabilizaram 2,1% das graduações – cerca
de 9.820 estudantes. “Procurei oportunidades mais viáveis financeiramente para
começar a faculdade. Escolhi contratar bolsa de estudo e consegui mais de 50%
de desconto”, destaca a Ayana Silva Lima.

Por estudar em curso da
modalidade Educação a Distância, a aluna de Ciências Contábeis também considera
o tempo um fator importante diante da rotina que leva. “Não precisar me
deslocar todos os dias, me dá a possibilidade de estudar e conciliar as demais
atividades com o trabalho”, avalia.

Entre as entidades que ofertam
bolsa de estudo, o Educa Mais Brasil disponibiliza cursos de graduação com até 70% de desconto. Só
no último semestre, foram ofertadas cerca de 240 mil oportunidades para o
ensino superior, em todas as regiões do país. Com a bolsa, o abatimento incide
diretamente na mensalidade do curso e, caso o contratante tenha realizado todos
os devidos pagamentos, não acumula dívidas ao término da graduação. Diferentemente
dos programas como o Prouni e o Fies, não é necessário comprovar renda para
contratar o benefício.

Outras modalidades de incentivo


O relatório também apresentou
dados sobre outras modalidades de incentivo ao ensino superior: bolsas
oferecidas por governo estadual, distrital ou municipal, que representaram 2,9%
das contratações; financiamento oferecido pela própria instituição (1,3%);
financiamento bancário (0,5%).

Os dados foram divulgados pelo Instituto
Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) na última
semana, quando houve a apresentação dos resultados do Enade 2017. No ano passado, estiveram presentes no exame 450.995
graduandos de 10.570 cursos superiores: 10.054 presenciais e 516 EAD (educação a distância).

Tunísia Cores – Ascom Educa Mais Brasil
*Esse artigo é um publieditorial

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: