Acusado de matar mulher a pauladas em Ceilândia é condenado a 17 anos de prisão

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Em sessão de julgamento realizada durante a programação do Mês Nacional do Júri, na última semana, o Tribunal do Júri de Ceilândia condenou Henrique Lima da Silva a 17 anos e seis meses de reclusão, em regime fechado, por matar a pauladas Maria Helena Alves Folha, em maio de 2015.

Segundo consta nos autos, o crime ocorreu na tarde do dia 16/5/2015, em Ceilândia Norte. A vítima encontrava-se na casa de um vizinho, na companhia do réu e outras pessoas, onde ingeriam bebidas alcoólicas. Em determinado momento, aconteceu uma discussão entre a vítima, o réu e uma terceira pessoa. O réu fechou a porta da residência e começou a agredir a vítima. Nesse momento, Henrique afirmou que mataria Maria Helena para que ela não o denunciasse. Em seguida, pegou um pedaço de madeira e agrediu a vítima com vários golpes na cabeça, fugindo do local.

Para o Ministério Público do DF, o crime foi executado com emprego de meio cruel, visto que o denunciado desferiu múltiplos golpes com instrumento contundente, de forma a impor à vítima sofrimento inútil e desnecessário. Além disso, o crime foi praticado para assegurar a impunidade de outro delito, pois Henrique temia que a vítima o denunciasse pela agressão por ele praticada momentos antes.

Em sessão secreta, os jurados acolheram integralmente a denúncia do MPDFT. Assim, de acordo com a decisão soberana do júri popular, o juiz presidente da sessão condenou o réu por homicídio duplamente qualificado (art. 121, § 2º, III e V, do Código Penal).

Para o magistrado, Henrique “agiu com culpabilidade elevada, visto que, conforme prova testemunhal, levou à própria boca parte do cérebro da vítima enquanto desferia as pauladas mortais”. O magistrado ainda destacou que o réu possui contra si duas sentenças penais condenatórias com trânsito em julgado.

Henrique respondeu ao processo preso e não poderá  recorrer da sentença em liberdade.

*Com informações do TJDFT

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: