Agência francesa quer ampliar parceria na área ambiental do DF

Agência francesa quer ampliar parceria na área ambiental do DF

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

O secretário do Meio Ambiente do Distrito Federal, Sarney Filho, apresentou nesta terça-feira (27/8) as prioridades do governo do DF na área ambiental, destacando as ações para diminuir as emissões de gases do efeito estufa, causados principalmente pela frota de veículos, cimenteiras e pela destinação do lixo.

Sarney Filho esteve reunido com o Diretor de Relações Internacionais do Ministério Francês de Transição Ecológica e Solidária, Olivier Robinet, com a representante da Agência Francesa de Desenvolvimento, Laure Schalch, além da responsável pelos programas na América Latina, Laetitia Lefaure.

A missão francesa está no Brasil em busca de novos projetos de cooperação com os Estados – financiamento e doação – e se interessou pelas propostas apresentadas pela Secretaria de Meio Ambiente (Sema). “A disponibilidade de parcerias internacionais é muito vem vinda, no momento em que estamos avançando em ações para o desenvolvimento sustentável, como o uso da energia solar”, citou o secretário. Entendimentos nesse sentido estão sendo discutidos com o Banco de Brasília (BRB).

A representante da Agência Francesa de Desenvolvimento, Laure Schalch, adiantou que a instituição, com sede em Brasília, tem disponibilidade para empréstimos em mobilização urbana e outras ações voltadas para o clima, com o controle de emissões dos gases que causam o aquecimento do planeta.

A Agência francesa, que já tem cooperação com a Adasa, Ministério de Desenvolvimento Regional e outros órgãos, mostrou-se interessada nos projetos em discussão sobre o aterro sanitário e lixão. O secretário explicou que a Sema aguarda diagnóstico que está sendo elaborado pela Universidade de Brasília (UnB) que irá apontar as alternativas para o setor.

Ainda sobre os problemas enfrentados pela capital, Sarney Filho destacou a forte pressão sobre o solo, com o crescimento do Distrito Federal, que também compromete as áreas de recarga dos mananciais que abastecem a região e os reservatórios, como a barragem do Descoberto e do Paranoá.

Ele enumerou ações em curso, como os projetos de agrofloresta e os produtores de água, que capacitam e oferecem ferramentas para a utilização sustentável da terra pelos produtores rurais.

* Com informações da Sema

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: