Câmara discute possíveis danos ambientais causados pelo Aterro Sanitário de Brasília

Câmara discute possíveis danos ambientais causados pelo Aterro Sanitário de Brasília

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

A Comissão de Desenvolvimento Econômico Sustentável, Ciência, Tecnologia, Meio Ambiente e Turismo (CDESCTMAT) discutiu, na manhã desta terça-feira (18), como proceder sobre uma suposta crise no armazenamento de chorume do Aterro Sanitário de Brasília e possíveis prejuízos ambientais que podem ocorrer.

O chorume é um líquido escuro e mau cheiroso produzido pela decomposição do lixo que é altamente poluente e, se proveniente de detritos como metais pesados, tóxico. A água da chuva em locais que armazenam rejeitos é perigosa, pois pode causar transbordamentos e contaminar corpos de água próximos. O que pode ter ocorrido no Aterro de Brasília.

Localizado em Samambaia, o aterro foi inaugurado em 17 de janeiro de 2017 e recebe, diariamente, cerca de 2,4 mil toneladas de lixo.  A impermeabilização do solo, o sistema de drenagem e as bacias de chorume do terreno deveriam, teoricamente, comportar toda a substância produzida e impedir a poluição da área, porém, devido ao alto volume de chuva que tem ocorrido desde o fim de janeiro, as bacias transbordaram e seu conteúdo teria alcançado o Córrego Melchior, o que foi negado pelo Serviço de Limpeza Urbana (SLU).

De acordo com o deputado Delmasso (Republicanos) isso ocorreu, pois, durante a construção, o índice pluviométrico do DF não foi levado em conta no cálculo de volume das bacias. Para evitar que se repita, a Novacap já começou a construir novas bacias. Apesar de não ter atingido o córrego, ainda há um perigo de contaminação. Segundo o parlamentar, o aterro foi construído a poucos quilômetros de distância do Aquífero Guarani, o segundo maior reservatório subterrâneo de água doce do mundo, com, aproximadamente, 45 mil quilômetros cúbicos e sua contaminação seria, como ele descreveu, um desastre ambiental de grandes proporções.

O deputado Eduardo Pedrosa, que visitou o aterro, propôs a redação de um requerimento para a realização de uma auditoria de responsabilidade pela falha na construção do terreno e outra para calcular a extensão dos possíveis danos ambientais ocorridos a fim de responsabilizar quaisquer culpados.

*Com informações da CLDF

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: