Com mais tempo em casa na pandemia, olhar para o lar como espaço de autocuidado ganhou força

Apartamento montado pela arquiteta Fátima Falcon. Foto Danilo Falcon

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Arquiteta explica que não é preciso grandes reformas para se sentir bem em casa

Agência Educa Mais Brasil

Em uma pesquisa rápida no Google sobre o conceito de casa o primeiro resultado apontando é: “substantivo feminino: 1. edifício de formatos e tamanhos variados, geralmente de um ou dois andares, quase sempre destinado à habitação; 2. família; lar”. Na pandemia, com mais tempo em casa – o espaço físico com paredes e etc. –, o conceito de lar – que denota algo mais afetivo, familiar – tornou-se mais forte e necessário, tendo em vista que em meio a tantas notícias ruins, estar em casa, para muitos, é estar seguro como em um templo.

E é de templo que a relações-públicas Gabriele Silva hoje chama o seu lar. Mas esse sentimento não veio do nada, foi construído e definido após ela passar por um momento de não se sentir bem olhando para a sua casa, recém-adquirida, inclusive, com muito esforço.  O desejo de pressa para reformar, torná-la “bonita”, bateu e foi preciso parar, respirar um pouco e olhar com mais carinho para paredes e espaços que aos poucos iam se transformando e se adaptando à sua identidade.

A relações públicas Gabriele Silva mudou a imagem que tinha com a casa recém-comprada. FOTO: ACERVO PESSOAL

“Antes da pandemia eu via a minha casa como o local que eu precisava trabalhar muito pra deixar bonita. Sempre que uma obra/reforma seria iniciada era um caos. Quando terminava e eu não tinha alcançado aquele ideal estético eu me sentia extremamente frustrada. Depois que a pandemia começou [e ela precisou trabalhar em casa], eu percebi o quanto era mais importante ter um ambiente onde eu me sentisse confortável e em paz. Assim, naturalmente, a minha visão foi se transformando”, conta.

Para ela, foi fundamental mudar as suas próprias expectativas e cobranças para se sentir bem e em casa. Abrir a janela e ter de cara a imagem das inúmeras plantas em seu quintal é uma de suas maiores conquistas, ela revela. “O objetivo é que este ambiente fique o mais natural possível. Aqui temos coqueiro, bananeira, pé de mamão, cacau, abacate, além de mantermos outras plantas como peregun, tapete de Oxalá, espadas de Nkosi e Matamba (divindades cultuadas no candomblé angola). Ter um local no qual eu posso estar em total conexão com a natureza tem sido um diferencial na minha vida. E se a gente melhora, o nosso lar se modifica junto com a gente”, conclui Gabriele.

LEIA TAMBÉM -   Enare: inscrições do processo seletivo estão abertas; saiba mais

Cuidar da casa é um autocuidado

Mesmo sem se conhecerem, o pensamento da Gabriele se adequa muito bem com a ideologia e a forma de como é desenvolvido o trabalho da arquiteta Fátima Falcon, terapeuta da casa e especialista em arquitetura sistêmica. Para a profissional, lar é energia e deve sempre estar vibrando de forma positiva. Em seus projetos, o primeiro momento é de uma conversa para chegar ao entendimento do que a pessoa almeja em comparação com o que ela realmente precisa.

“O lar é extensão da pessoa. Então, quando a gente cuida do lar, estamos cuidando de nós mesmos. Lar tem que ser um lugar em que tenha a nossa identidade, a identidade de quem mora ali. Não é só sobre ter por ter, mas ter porque faz sentido. E, assim, quando a gente cuida do lar, a gente está curando nós mesmos. Cada canto da sua casa representa uma área da sua vida. Então a gente não pode deixar aquele cantinho ali desligado”, explica a profissional.

E esse cuidado, dependendo da necessidade de cada um, pode ser feito com pequenas mudanças, sem necessidade de grandes reformas ou compra de novos móveis.  “Às vezes não é comprar mais, é tirar. Reformar ou decorar não tem a ver com adquirir mais, pode ser ter somente o que te faz sentido. Eu tenho duas coisas que eu gosto muito. Gosto de pautar o que é realmente essencial e, também, de ressignificar, transformar e dar novos usos nas peças”, conta.

Eleve a energia do seu lar

Em seu perfil no Instragram, o @fatimafalcon.arquitetura, a profissional além de contar o resultado dos seus projetos também dá dicas de como os seguidores podem, sozinhos, melhorar a energia de seus lares com apenas pequenas atitudes. Para isso, Fátima aconselha:

LEIA TAMBÉM -   Definidas as regras do Programa Habilitação Social

– Faça limpezas físicas e energéticas sempre que possível

– Livre-se do que não é necessário ou não te faz bem

– Escute músicas que elevem a sua vibração

– Permita que a luz do sol entre

– Tenha filtros energéticos e plantas

– Dê novo uso ou conserte o que está quebrado

– Faça orações

– Consuma consciente

– Cultive o autocuidado

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: