Ibama resgata peixes ornamentais vendidos ilegalmente em loja de aquarismo na Ceilândia

Ibama resgata peixes ornamentais vendidos ilegalmente em loja de aquarismo na Ceilândia
Arraia apreendida pelo Ibama em loja de aquarismo em Ceilândia, Brasília. Foto: Ibama.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Uma denúncia anônima levou agentes do Ibama a uma loja de aquarismo em Ceilândia, no Distrito Federal, que vendia ilegalmente animais de diversas espécies. Os fiscais juntamente com o Instituto Brasília Ambiental (Ibram) apreenderam o total de 57 animais. A operação aconteceu na terça-feira (03).

Dois peixes-vidro receberam injeções de tinta fluorescente,evidenciando maus-tratos. Foto: Ibama.

Os agentes resgataram 40 axolotes (Ambystoma mexicanum), espécie de salamandra típica do México, caracterizando introdução de espécie exótica sem autorização. Os axolotes são anfíbios protegidos pela Convenção sobre Comércio Internacional das Espécies da Flora e da Fauna Selvagens em Perigo de Extinção (Cites). Para que sejam realizados a importação e comercialização desses animais é preciso de licença emitida pelo Ibama, além de registro do comprador e do comerciante no Sistema Nacional de Gestão de Fauna Silvestre (Sisfauna); 13 arraias-pintadas (Potamotrygon falkneri) sem comprovação de origem; 2 bicudas (Boulengerella sp.), peixes cuja comercialização é proibida; 2 peixes-vidro (Parambassis ranga) que receberam injeções de tinta fluorescente, evidenciando maus-tratos.

Depois de serem tratadas no Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) do Ibama, as arrais foram devolvidas à natureza.

O proprietário da loja estava atuando de forma irregular já que não possuía licença para o funcionamento do estabelecimento,  inscrição no Registro Geral de Atividade Pesqueira (RGP) e nem Cadastro Técnico Federal (CTF), obrigatórios para o comércio de organismos aquáticos vivos e atividades pesqueiras. O dono da loja recebeu três autos de infração, no total de R$ 23,8 mil.

Ao serem recolhidos pelos fiscais, os animais foram levados para Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) do Ibama no Distrito Federal e depois devolvidos à natureza. Os axolotes, por sua vez, foram entregues ao Jardim Zoológico de Brasília.  

*Com informações da Assessoria de Comunicação do Ibama.

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: