Instrutor de pilates: regulamentação da profissão está em análise no Brasil

Instrutor de pilates: regulamentação da profissão está em análise no Brasil

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Tramita no Senado Federal um Projeto de Lei (PL) que regulamenta a profissão de instrutor de pilates: o PL 6.469/2019. A senadora SorayaThronick (PSL-MS), autora do projeto, prevê que tais profissionais estejam legalmente registrados no Conselho Nacional de Normas-Padrão do Método Pilates, o CNPP. O projeto aguarda receber as emendas na Comissão de Assuntos Sociais do Senado (CAS).

Pioneira nos estudos e nas práticas de pilates no Brasil, a professora Selma França reconhece a importância da legislação e acredita na valorização da prática após a normatização.“Eu vejo muitos profissionais formados em educação física, fisioterapia, dentre outras áreas, dizendo que estão ensinando pilates e na verdade não estão. Eles fazem qualquer coisa menos o que determina as Normas-Padrão do Método Pilates, o CNPP. O pilates possui inúmeras linhas de ensino, com metodologias distintas, respeitando cada ser, individualmente”, alerta Selma.

A proposta do Congresso Nacional institui que apenas serão inscritos e registrados nos quadros do CNPP os profissionais com diploma devidamente reconhecido de instrutor de pilates, além dos diplomados em curso similar realizado no exterior, após revalidação e registro do diploma nos órgãos competentes.

Para Selma, regulamentar a profissão é entender a relevância dos métodos abordados e respeitar os profissionais habilitados no segmento. De acordo a instrutora, a metodologia criada pelo alemão Joseph Pilates, originária de movimentos da dança, é um mecanismo filosófico que conecta a saúde, yoga, acrobacias e também contribui para o condicionamento físico.

“A regulamentação irá humanizar a atividade, além de evitar a banalização pela informalidade vivida atualmente. O número de academias que prometem o ensino de pilates distanciou a essência do método”, diz a professora.

Atuante nesse processo junto à autora SorayaThronick e defensor das normas que irão legalizar a atividade, o advogado Robson Alcova explica os benefícios do projeto: “A extrema banalização e disseminação do método estão expondo o consumidor final a riscos de saúde e danos causados ao corpo por falta da essência e da não aplicação dos movimentos da maneira correta. A lei irá favorecer, tanto aos clientes, quanto aos profissionais devidamente habilitados, pois trará segurança a ambos os lados e todos deverão ser submetidos, inclusive, à constante fiscalização pelo órgão regulador”, conclui.

LEIA TAMBÉM -   Educação na América Latina registra retrocesso de, pelo menos, oito anos

Fonte: Juliete Neves – Agência Educa Mais Brasil

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: