O futuro 5G marca presença em Brasília

Foto: Paulo H Carvalho/Agência Brasília

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Na agenda institucional do GDF, Internet das Coisas é uma lei. População pode conferir o projeto, gratuitamente, em laboratório experimental

Agência Brasília

Além do título de Patrimônio Mundial da Humanidade, Brasília também caminha para ser a primeira cidade inteligente do país. O sonho de ter à mão aparelhos operados por inteligência artificial, com tempo de resposta imediatos, já começa a se concretizar pelos passos que o Governo do Distrito Federal tem dado – como a sanção, no início deste mês, do Plano Distrital da Internet das Coisas. Aqui se traçam as diretrizes de criação de uma política para estimular a aplicação de alta tecnologia na prestação de serviços voltados à conexão com velocidade 5G.

Um pouco de toda a complexidade desse universo já pode ser visto e sentido na prática no Laboratório de Testes 5G, do Parque Tecnológico de Brasília – o Biotic, uma subsidiária da Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap).

“O 5G é o que habilitará a Internet das Coisas, e Brasília criou aqui no Parque Tecnológico o primeiro ambiente de testes permanente desta tecnologia em todo o país – uma velocidade fantástica para suportar esse novo mundo que se apresenta”, destaca o presidente do Biotic, Gustavo Dias Henrique.

Velocidade superior

O laboratório oferece experiências inéditas em relação ao tempo de resposta, após o acionamento de um único comando na internet. Além de dois aparelhos de celular 5G disponíveis para teste, é possível fazer uma visita virtual a uma fábrica operada por óculos digitais com o mesmo recurso. Um clique para carregar uma página parece mais rápido que um simples estalar de dedos.

“O 5G é uma nova proposta que atenderá a dois tipos de público: o cidadão, que navegará até dez vezes mais rápido em seu telefone, e o empreendedor, que enxerga lá na frente como pode aprimorar seu negócio”, aposta o diretor de Negócios, Ciência, Tecnologia e Inovação do Biotic, Leonardo Reissman.

LEIA TAMBÉM -   Polícia prende dupla que matou vigilante em Ceilândia

Startup faz testes

São soluções desse porte que empolgam empresários como Pedro Rosa, diretor da Vamos Parcelar, startup do ramo financeiro que parcela multas e boletos em apenas alguns cliques. Rosa tem usado semanalmente a estrutura do Biotic para trocar experiências e usar o moderno Laboratório 5G.

“Estamos desenvolvendo um laboratório de inovação para a empresa e fazemos testes para buscar outras soluções digitais”, conta. “Aqui já pudemos visualizar como será o 5G, uma tecnologia que resolve a velocidade dos dados e que vai nos permitir criar modelos disruptivos.”

A startup tinha sua base em Belo Horizonte (MG), mas migrou para Brasília como uma aposta tecnológica. Pedro Rosa é um pesquisador atento da revolução que a Internet das Coisas vai trilhar. “Com dados rápidos, você tem tudo”, ressalta. “Vamos poder conectar a geladeira, o ar-condicionado com dispositivos de internet, os carros autônomos também. É uma questão de tempo”.

Visita aberta

A 5G é, de fato, uma rede de dados programada para dar resposta em tempo real, além de ser escalável e versátil – embora ainda um pouco distante. Só chega ao Brasil após o leilão de frequências da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), previsto para 2021.

Enquanto isso, os moradores do DF já podem sentir o gostinho da internet ultrarrápida e de uma experiência futurista, por meio de uma visita ao Parque Tecnológico. Basta agendar a ida ao laboratório pelo e-mail bioticsa@bioticsa.com.br.

Veja mais:

LEIA TAMBÉM -   Prouni 2021.1: inscrições para lista de espera começam hoje (01)

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: