Plano do MEC de transferir escolas públicas para Polícia Militar divide opiniões

Plano do MEC de transferir escolas públicas para Polícia Militar divide opiniões

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Em 2014, o Colégio Estadual Fernando Pessoa, localizado num bairro carente de Valparaíso (GO), sofreu uma transformação radical. Os alunos substituíram as roupas comuns por fardas bege. A portaria e os corredores passaram a ser patrulhados por policiais armados. O diretor civil foi trocado por um comandante militar. Os professores começaram a trajar jalecos brancos. As aulas só começam depois que os estudantes enfileirados assistem ao hasteamento da bandeira nacional. O nome ficou mais longo: Colégio da Polícia Militar de Goiás Fernando Pessoa. A escola foi militarizada (saiba mais sobre ela no vídeo ao fim desta reportagem).

— De todas as transformações que fizemos, a mais importante foi resgatar a autoridade do professor. Ao contrário do que acontece em outras escolas, aqui ele consegue se impor, é respeitado pelos alunos e trabalha sem medo — afirma o comandante do colégio, capitão Eric Chiericato.

Nas escolas militarizadas (ou cívico-militares), o prédio, os professores e o currículo escolar continuam sendo do governo estadual ou da prefeitura, mas o diretor, a segurança e as regras internas de disciplina passam a ser da Polícia Militar ou do Corpo de Bombeiros.

Trata-se de um modelo escolar que o governo federal quer ver espalhado por todo o Brasil. Logo no dia seguinte à sua posse, em janeiro, o presidente Jair Bolsonaro cumpriu uma das promessas de campanha e criou no Ministério da Educação uma subsecretaria incumbida de incentivar estados e municípios a transferir a direção de suas escolas para os policiais ou bombeiros.

As primeiras experiências com a militarização do ensino datam da década passada. Aos poucos, o modelo foi se expandindo. Atualmente, funcionam nesses moldes perto de 200 colégios estaduais e municipais em quase todos os estados.

Em termos numéricos, Goiás é o líder nacional, com 60 escolas estaduais nas mãos da Polícia Militar. Em Roraima, há 19. Os colégios que costumam ser militarizados são os do ensino médio e os da última etapa no ensino fundamental (do 6º ao 9º ano).

O MEC escolheu a capital da República como piloto. A pasta destinou verbas para que, até o fim do ano, 40 escolas do Distrito Federal sejam entregues à gestão militar. Dessas, quatro já foram militarizadas. O dinheiro federal deve ser aplicado na infraestrutura e na capacitação dos profissionais.

Em abril, representantes do MEC participaram de uma audiência pública na Assembleia Legislativa de Minas Gerais para tentar convencer os deputados estaduais a aprovar a educação militarizada — a adoção do modelo exige lei específica. Minas é um dos poucos estados que não têm nenhuma escola cívico-militar.

A disseminação desse modelo, contudo, é controversa. Especialistas em educação discordam da nova política do MEC. No Senado, as escolas militarizadas também têm defensores e críticos.

De acordo com o Ministério da Educação, a militarização do ensino traz três grandes benefícios: os alunos ficam mais disciplinados e obedientes, a violência na escola despenca e a aprendizagem aumenta.

O modelo que o MEC apoia é inspirado nas escolas militares, que pertencem às Forças Armadas, às Polícias Militares e aos Corpos de Bombeiros. Comparadas com as escolas militarizadas, a grande diferença é que as militares não têm ligação com a rede pública de ensino e destinam quase todas as suas vagas aos filhos dos militares.

No primeiro dia de aula, os estudantes recebem uma agenda com o regimento disciplinar da escola. As regras os proíbem de sentar-se no chão fardados, mascar chiclete, dobrar a manga da camiseta de educação física, fazer demonstrações públicas de afeto (no caso de namorados), usar óculos chamativos, pintar a unha e o cabelo, deixar a barba crescer, chamar o professor de “você” (o regimento escolar prevê “o senhor” e “a senhora”). Também é considerado transgressão não prestar continência aos militares da escola.

Os alunos perdem pontos no quesito disciplina quando desrespeitam o regimento. A depender da pontuação descontada, eles podem ser reprovados ou expulsos ainda que tenham obtido boas notas nas provas escritas.

Proibições do regimento disciplinar dos colégios da PM de Goiás (imagem: reprodução)

O professor de filosofia da educação José Sérgio Fonseca de Carvalho, da Universidade de São Paulo (USP), entende que a disciplina das corporações militares é incompatível com a escola:

— É uma disciplina que prevê a obediência cega. Numa guerra, quando o comandante grita “avançar”, os soldados têm que obedecer e jamais questionar. No meio militar, é preciso que seja assim. Na escola, ao contrário, a obediência cega não é uma virtude. O estudante precisa querer conhecer as razões, argumentar, criticar e eventualmente contrapor-se ao pensamento dominante, porque é assim que a ciência e o conhecimento evoluem. Na escola, exige-se a disciplina para o estudo, não a disciplina militar.

Carvalho afirma que o esquema militar desconsidera a pluralidade que deveria ser característica do ambiente escolar:

— Quando observo um exército marchando, eu vejo um bloco único fazendo o mesmo movimento, e não as individualidades e as singularidades de cada um. Quando essa lógica é levada para o ensino, a experiência escolar se empobrece. O que se faz é a conformação, e não a formação dos alunos. Não é possível que este nosso mundo seja tão maravilhoso que tenhamos que ajustar todos os jovens a ele. Para mim, isso é treinamento, adestramento. Educação não é.

O senador Styvenson Valentim (Pode-RN), discorda. Ele é policial militar e foi o responsável pela recente militarização de um colégio estadual localizado num bairro pobre e violento de Natal. Segundo Styvenson, a obediência é, sim, necessária na educação:

— As pessoas estão confundindo liberdade de pensamento crítico com libertinagem. Regras servem para manter a sociedade coesa e pacífica. Assim como o filho precisa obedecer ao pai, o aluno precisa obedecer ao professor, que é hierarquicamente superior. Não tem que questionar. A criança que é desobediente hoje certamente vai se tornar um adulto desobediente amanhã, com consequências negativas para a sociedade. É com obediência que o cidadão se forma.

Nas escolas militarizadas, a cada mês, um aluno é alçado ao posto de chefe de turma. Como tal, é dele a responsabilidade de manter os colegas comportados. Caso perca as rédeas, perde pontos no boletim disciplinar. Outra missão é apresentar a turma ao professor. No início de toda aula, o chefe se levanta da carteira, dirige-se a professor, presta continência e, em alto volume, informa qual é o “efetivo” da sala, quantos alunos estão presentes e quantos faltaram. Apresentação concluída, ele ordena repetidamente aos colegas “sentido” e “descansar” e só diz “sentados” quando eles por fim conseguem fazer os movimentos em perfeita sincronia. Se o aluno tiver seis aulas no dia, fará esse ritual seis vezes.

O senador Styvenson afirma que os professores não estão preparados para lidar com alunos “que chegam armados ou sob a influência de álcool ou drogas”, o que é motivo suficiente para que policiais militares estejam dentro das escolas:

— Se determinada escola se encontra em paz, a polícia não precisa estar lá, até porque isso seria uso ineficiente do efetivo. A polícia precisa estar onde falta segurança. Se é dentro da sala de aula, ela vai estar dentro da sala de aula. Se é dentro do ônibus, ela vai estar dentro do ônibus. Se é dentro da sua casa, ele vai estar dentro da sua casa. O professor não consegue, sozinho, lidar com alunos violentos. A situação é grave. É por isso que existe tanto clamor para que policiais ocupem as escolas públicas.

No Colégio Fernando Pessoa antes da transferência para a PM goiana, as paredes viviam pichadas, professores eram ameaçados pelos alunos, drogas circulavam livremente e, no caso mais extremo, um estudante foi assassinado na frente dos colegas. O capitão Chiericato, comandante do colégio, diz:

— Água e óleo não se misturam. Quando assumimos o comando, os estudantes que tinham predisposição para a bandidagem foram logo embora. Quando viram uma escola com 20 policiais, eles não se sentiram à vontade para continuar agindo. Não temos mais bandidos infiltrados na comunidade escolar querendo matar aluno e professor. Esse é um dos motivos pelos quais tantos alunos querem estudar aqui. Neste ano, tivemos 1.300 candidatos para as 120 vagas que abrimos.

A diferença no currículo pedagógico das escolas militarizadas de Goiás é uma disciplina chamada noções de cidadania, que, segundo o capitão Chiaricato, é uma versão contemporânea da antiga educação moral e cívica.

— Estamos resgatando os valores que as escolas ensinavam nas décadas de 1960 e 1970 e que se perderam no decorrer dos anos.

Na avaliação da professora Andrea Mara Vieira, da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (UnB), a Polícia Militar só entra nas escolas porque falhou na vigilância das ruas:

— A violência não nasce dentro da escola, mas fora dela, na sociedade. A escola é apenas um microcosmo da sociedade. Se o entorno fosse um lugar seguro, a escola também seria. Para a Polícia Militar, é mais fácil cuidar da segurança dentro da escola, porque o ambiente é menor e controlado e todos os alunos são obrigados a obedecer às ordens do comandante, inclusive os professores. A PM deveria se concentrar na sua atribuição constitucional, que é fazer policiamento ostensivo e zelar pela segurança da sociedade.

A professora da UnB entende a militarização de escolas como uma reação à evolução da sociedade:

— O mundo já mudou. Estamos na era da internet e das redes sociais. A forma de nos relacionarmos intersubjetivamente e com o mundo é outra. Os sujeitos hoje estão mais diversos e fluidos, não têm um papel definido. A velha forma positivista de agir e pensar, por meio de binarismos, ficou para trás. Isso incomoda os mais conservadores, que não conseguem aceitar a mudança. Como não entendem certos comportamentos do jovem, esses conservadores os interpretam como atos de desobediência ou até de violência e fazem de tudo, inclusive apoiar um modelo escolar antiquado, para enquadrar a nova geração à força nos moldes de uma sociedade que passou. A militarização do ensino vai na contramão da evolução do mundo.

A militarização fez o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb, que mede o aprendizado dos alunos) do Colégio Fernando Pessoa dobrar. Em 2009, antes de ir para a gestão da PM, o Ideb da escola no ensino fundamental era 2,9. Hoje está em 5,9.

De acordo com o major Marcos Rabelo, da Secretaria de Educação de Goiás, a evolução é semelhante nas outras 59 escolas militarizadas do estado.

— É um modelo que comprovadamente tem resultados positivos e que é aprovado por alunos, pais, professores e comunidade. Diariamente recebemos pedidos de cidadãos e de deputados estaduais para a militarização de mais escolas estaduais — afirma.

O major Rabelo explica que o governo de Goiás pretende ampliar a militarização, mas não ao ponto de alcançar todas as escolas estaduais:

— Quando generalizamos esse modelo, tiramos a liberdade de escolha do pai e do aluno. Ninguém é obrigado a estudar numa escola militarizada. Quem está nela é porque quer. Esse é apenas um entre os vários modelos de educação que existem.

Nas escolas militarizadas de Goiás, em cerimônias que por vezes contam com a presença de prefeito e vereadores, os melhores alunos de cada sala são homenageados com medalhas, que passam a fazer parte da farda deles até o fim do ano.

Os pais normalmente pagam uma taxa mensal, que é voluntária e costuma ficar entre R$ 50 e R$ 100, para melhorar o espaço físico. Graças a essa taxa, o Colégio Fernando Pessoa tem ar-condicionado e projetor do tipo data show em todas as salas, biblioteca, laboratórios de informática e ciências, sala de reforço escolar, curso de música e aulas de muay thai (boxe tailandês).

A professora Miriam Fabia Alves, da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás (UFG), avalia o modelo militarizado cria duas castas de escolas dentro da rede pública:

— Temos poucas escolas que recebem toda a atenção e funcionam bem e muitas escolas, todo o restante, que ficam esquecidas e não funcionam. Essa solução mágica chamada militarização é excludente e não resolve os problemas da educação nacional.

Ela aponta alternativas. De acordo com a professor da UFG, a educação avançaria se cada novo governo abolisse o hábito de acabar com as políticas públicas do governo anterior para começar tudo do zero e se os gestores públicos se dedicassem a cumprir as metas previstas no Plano Nacional de Educação (PNE).

Para o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), o MEC deveria priorizar os institutos federais, escolas que oferecem ensino técnico de nível médio e “têm mostrado ótimos resultados”:

— Como política geral, a militarização de escolas não faz sentido. Parece mais um diversionismo do que uma solução verdadeira. Os profissionais da educação estão capacitados para dirigir as escolas e merecem o nosso respeito.

O Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), que reúne representantes das 27 unidades da Federação, também diz que a melhoria do ensino tem outros caminhos e cita, entre vários exemplos, a abertura de mais escolas de tempo integral.

A Agência Senado pediu entrevista com algum porta-voz do MEC. A pasta respondeu com uma nota na qual citou como pontos positivos das escolas militarizadas a “gestão de alto nível”, a “qualidade de ensino” e os “valores cívicos, éticos e morais”.

Por Agência Senado

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: