Programa no DF procura restabelecer convivência familiar

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

A vendedora de brinquedos Fernanda* namorou o marceneiro Eduardo* por três anos, período ao longo do qual romperam e reataram diversas vezes. Depois de anunciar que estava grávida, o casal combinou que moraria junto. A decisão foi tomada, porém, sem que ela tivesse muita certeza do que faziam, já que a gravidez não tinha sido planejada e o relacionamento havia balançado em muitos momentos. Mesmo assim, assumiu o compromisso, com seriedade.

Quando completou o quarto mês de gestação, a vendedora teve uma surpresa, o pai da criança e então companheiro sumiu, sem dar nenhuma satisfação. O casal dividia casa há dois meses. O bebê nasceu, em abril, e acabou sendo registrado somente com o nome da mãe.

Preocupada com o fim da licença-maternidade e o retorno ao trabalho, Fernanda foi se informar sobre os preços das creches particulares e acabou reavaliando seus planos de criar o filho sozinha. Somente a mensalidade média das creches chega a consumir dois terços de sua renda – composta de um salário mínimo e uma comissão que varia a cada mês -, com a qual também cobre aluguel e outras despesas. Ela trabalha das 14h às 22h e diz não ter alternativa ao serviço.

Ser mãe solo não seria novidade para Fernanda, pois passou por isso com sua primeira filha, que hoje tem 15 anos. A primeira experiência de maternidade tomou esse rumo por desinteresse do pai da menina, de quem se separou quando ela tinha três anos de idade. Após ponderar, a vendedora concluiu, que deve, dessa vez, cobrar do pai da criança que cumpra seus deveres, para que o garoto tenha qualidade de vida.

Fernanda foi uma das 763 mulheres convocadas para comparecer a mais uma etapa da ação Pai Legal, do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), realizada na última terça-feira (25). Existente desde 2002, o programa oferece a regularização da paternidade no registro civil.

“Eu fui atrás e fiquei sabendo que ele tinha arrumado outra pessoa. Ele me fez tirar um empréstimo para ele, pagou só a primeira parcela e desapareceu. Nem ele me procurou, nem eu o procurei mais”, disse Fernanda sobre seu ex-parceiro.

“Hoje eu tinha essa audiência e disse, quer saber, eu vou atrás dos direitos do meu filho. Às vezes, por orgulho, nós, mulheres, pensamos, deixa pra lá, não quero o nome desse homem no do meu filho. Mas de apoio financeiro eu estou precisando. Por isso, vim atrás, para que ele pague pensão [alimentícia]” e também porque meu filho tem direito de conhecer o pai, se, um dia, ele perguntar”, acrescentou.

Pai Legal

O Pai Legal permite que as mães forneçam informações sobre os supostos pais das crianças e tenham suporte do MPDFT para localizá-los, quando necessário. Durante a audiência, são feitos reconhecimentos voluntários de paternidade e também são abertos os procedimentos preliminares, no caso de o suposto pai negar a paternidade ou não comparecer. No âmbito do projeto, é possível ainda uma terceira via, a instauração de procedimentos nos casos em que os supostos pais tenham falecido, estejam presos ou morem em outro estado.

A empregada doméstica Jennifer*, agora desempregada, relatou ter ido à audiência com a esperança de que o pai de seu filho aparecesse. Assim como Fernanda, ela também teve, por três anos um relacionamento sério com o rapaz, que é corretor de imóveis e já engatou um novo relacionamento.

“Ele estava avisado da audiência, mas não compareceu”, disse, acrescentando que o jovem já havia faltado ao exame de DNA marcado por ela. “Ele sabe que criança é responsabilidade grande. Uma hora, ele quer assumir e, outra hora, quer fugir. Quando meu filho nasceu, ficou na UTI [Unidade de Terapia Intensiva], por duas semanas, e ele não foi vê-lo. Agora ele arrumou uma namorada, está morando com ela.”

Elos de vida

A Agência Brasil obteve, por meio da assessoria de imprensa do MPDFT, o quantitativo discriminado de atendimentos efetuados na terça-feira (25). Ao todo, 125 mães notificadas (16,3%) se dirigiram ao órgão. O órgão informou que, na data, foram contabilizados 19 reconhecimentos voluntários de paternidade.

A promotora Renata de Salles, uma das responsáveis por estruturar o Pai Legal, destacou que um dos objetivos do programa é conscientizar a população sobre a importância da convivência familiar. Segundo ela, que trabalha há quase 20 anos com processos relacionados a filiação, a proximidade na relação pode importar consideravelmente a pais e filhos.

Uma vez, disse a promotora, um rapaz recorreu ao programa quando iria fazer 18 anos. Ele estabeleceu como resolução daquele aniversário que teria o nome do pai na certidão. Chegando ao MPDFT, ele, que estava na companhia da mãe, ganhou, por acaso, a senha de alguém que desistiu do atendimento.

A mãe do jovem afirmava que não sabia o nome completo do homem que seria o pai do garoto. Após investigar, o MPDFT levantou a informação, descobrindo que ele morava no exterior.

“Ele já era estabelecido, casado, tinha três filhos, era empresário. Entramos em contato na mesma hora. Ele disse, sim, eu conheço a pessoa [a mãe]. Quer dizer, a mãe nunca comunicou ao pai. Aí, ele veio para Brasília, fez o exame de DNA. Isso tudo a gente resolveu em três, quatro meses, e nunca esqueceu essa audiência. Ele veio com a esposa. Quando ele abriu o exame, ele deu um abraço no filho e todo mundo chorou. O sonho do filho era ter o nome do pai”, disse Renata.

Outra história que a marcou foi a de uma mulher com deficiência auditiva. “Ela já tinha cerca de 20 anos e fazia desenhos para o pai. Nós localizamos o pai e ela deu para ele um álbum de desenhos”.

“Teve o caso de uma pessoa conhecida, que já tinha quase 40 anos. Ela disse, tenho fotografias do meu pai, de quando eu era pequenininha. Nós localizamos o pai. Ele morava em Brasília, estava com 80 e tantos anos e disse que já fazia quase 50 anos que estava em busca da filha. Quando foi chamado, ele nem acreditou, até chorou. Hoje, eles convivem. Ela é a filha única dele. Esse trabalho é muito legal, é muito gratificante”, disse Renata.

Apesar de inúmeros finais felizes, a revelação da identidade de determinados pais também já foi motivo de consternação, comentou a promotora. Segundo Renata, não é raro acontecer de o filho ou a filha esperar a morte da mãe para procurar o pai.

“Tem o caso de uma senhora que esperou a mãe falecer. A vida toda ela acreditava que o pai era um político que morava fora de Brasília, porque foi no Ceará [que os pais se conheceram] e, quando a mãe dela faleceu, ela veio aqui. Eu tinha, inclusive, o maior cuidado com esse processo, pedi para o promotor de lá fazer o exame de DNA, acompanhar. Chegou aqui, deu negativo. Lembro que essa senhora chorava muito e dizia, doutora, agora vou ficar sem pai, eu esperei a vida toda. A gente foi atrás de parentes dela, mas não conseguiu localizar [o pai].”

A promotora disse ainda que, em alguns países, como o Peru, a mãe pode indicar, sozinha, o nome do pai da criança. Lá, ele tem o prazo de um ano para contestar a paternidade.

Figura paterna

Um estudo do Instituto Ipsos comprovou que, em certa medida, o homem brasileiro repele a ideia de se dedicar ao cuidado dos filhos. A conclusão dos pesquisadores, que ouviram 1 mil pessoas, foi de que 27% dos homens acreditam que o homem que permanece em casa para cuidar dos filhos é “menos homem” do que aquele que investe seu tempo na carreira profissional e em outras atividades.

Entre as próprias mulheres que responderam ao questionário, a taxa varia pouco, sendo de 25%. Realizada em parceria com o Instituto Global para a Liderança Feminina do King’s College London, a pesquisa fez um ranking com 27 países, conferindo ao Brasil destaque negativo. O país ficou em terceiro lugar, vindo atrás da Coreia do Sul, que ficou em primeiro, e da Índia, ocupante da segunda posição. Respectivamente, esses dois países apresentaram uma proporção de 76% e 39% respectivamente quanto a pessoas que concordam com a perspectiva de que cuidar dos filhos é uma função “castradora” de homens. Tal mentalidade pode contribuir para que muitas das obrigações inerentes à vida adulta recaiam sobre as mulheres, por considerar que são exclusivas a elas.

A Organização das Nações Unidas (ONU) tornou público, esta semana, o relatório Progresso das Mulheres do Mundo 2019-2020: Famílias num Mundo em Mudança, em que examina como as constituições de família afetam a independência das mulheres e a educação dos filhos. O organismo internacional assinalou, entre outras colocações, que as famílias monoparentais chefiadas por mulheres representam, atualmente, 8% dos agregados familiares e que “as mulheres têm de fazer malabarismos” para conciliar o trabalho remunerado com a criação dos filhos e as atividades domésticas não remuneradas. O documento também lembra que as mulheres continuam realizando três vezes mais cuidados não remunerados, como trabalho doméstico, do que os homens.

No Brasil, a estrutura monoparental cresceu, conforme balanço do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), intitulado Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça. O arranjo tradicional, de um casal com filhos, correspondia a 58% das famílias, em 1995, e teve o percentual diminuído para 42%, em 2005. Outra inversão se deu quanto ao volume de lares liderados por mulheres, que aumentou, no mesmo intervalo, de 23% para 40%.

A desigualdade de gênero no âmbito familiar já foi pauta também em estudo recente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em abril, divulgou-se que as mulheres têm o dobro da carga de tarefas domésticas dos homens. Enquanto elas gastam 21,3 horas por semana com esse tipo de função, eles dedicam 10,9 horas. (Agência Brasil)

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: