Copa América: polícia do DF investiga grupo que vendia ingressos falsos pela internet

Brasília, 25/09/15. Polícia Civil deflaga operação para prisão de envolvidos em explosões de caixas eletrônicos. Operação Hostibus (inimigo em latim) da Policia Civil do DF. Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

A PCDF, por meio da Coordenação de Repressão aos Crimes Contra o Consumidor, a Propriedade Imaterial e a Fraudes – Corf, na manhã desta terça-feira (18), cumpriram mandados de busca e apreensão nas residências de integrantes de eventual associação criminosa. As diligências aconteceram em Ceilândia, no Sol Nascente, Riacho Fundo e Gama.
 
De acordo com as investigações, desde fevereiro, o grupo criminoso oferecia pelo Facebook ingressos para os jogos da Copa América, que teve início na última sexta-feira (14). Os valores cobrados, entre R$ 140 e R$ 500, — pouco acima dos preços oferecidos pelo mercado —foram depositados em contas correntes utilizadas pelo grupo investigado, cujas agências bancárias estão localizadas no Distrito Federal. 

“Em troca do pagamento, o grupo prometia encaminhar aos compradores, via e-mail, vouchers supostamente emitidos pela Conmebol. Até a presente data, nove vítimas foram identificadas, mas é possível que muitas outras pessoas tenham caído no golpe”, destaca o delegado da Corf, Wisllei Salomão.

O coordenador orienta à população do DF para adquirir ingressos apenas de sites oficiais para evitar esse tipo de fraude. Até o momento, não foram identificadas vítimas moradoras da capital federal, já que as partidas de futebol ocorreram em estádios do Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Salvador e Porto Alegre.
 
Vale destacar que os ingressos foram oferecidos em quatro perfis falsos de rede social, inclusive com a utilização de imagens de outras pessoas comuns. Os envolvidos irão responder pelos crimes de estelionato continuado e associação criminosa, com penas de um a cinco anos. Um dos investigados já responde há crime de tráfico de drogas. 

As investigações prosseguem no sentido de identificar mais envolvidos no esquema fraudulento, além de outras vítimas.

“É importante que as pessoas denunciem e registrem ocorrência, mesmo que o prejuízo financeiro individual seja pequeno”, finaliza o delegado.

Com informações da PCDF

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: