...
 

Aula-espetáculo apresenta o Mamulengo como Patrimônio Cultural

A cultura popular é uma das formas mais autênticas e poderosas de educação que dispomos. Com as nossas tradições, aprendemos sobre a nossa ancestralidade, relações humanas, sobre nossos corpos e potencialidades. Também compreendemos que somos fazedores e criadores de nossa própria vivência e história. Muitas dessas manifestações se tornam Patrimônios Culturais, como é o caso do Mamulengo, da Capoeira, do Samba de Roda, da Literatura de Cordel. O Mamulengo, que é o Teatro Popular de Bonecos do Nordeste, foi reconhecido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN, como Patrimônio Cultural do Brasil. Esse reconhecimento, que se deu no ano de 2015, busca fortalecer, objetiva e simbolicamente, essa rica manifestação popular, que encanta não só o Nordeste, mas todo o nosso país. Atualmente, o Distrito Federal é um grande expoente do mamulengo, com diversos representantes da brincadeira. Aprendida com mestres e mestras que diversos estados, como Pernambuco, Paraíba, Ceará e Maranhão, a tradição dos bonecos ganha vida e se transforma na capital, fazendo parte do imaginário e da identidade cultural local.

Com o intuito de apresentar e debater sobre a arte do Mamulengo e sua rica diversidade, surge o projeto O Mamulengo na Educação Patrimonial. Ministrado pelo Mestre Bonequeiro Chico Simões, a iniciativa leva ao público cinco aulas espetáculo, que apresentarão, de forma lúdica, os aspectos e características do Teatro Popular de Bonecos do Nordeste. No dia 09 de agosto, sexta, a apresentação será no Espaço Invenção Brasileira, às 19h, em Taguatinga, e no dia 10, sábado, às 14h, no Espaço Cena, na Asa Norte. O projeto também circula, dos dias 01 a 12, por escolas de Samambaia e Varjão, e conta com uma apresentação especial para portadores de deficiência visual, na Biblioteca Braile “Dorina Nowill”, em Taguatinga.

Sobre a Aula-Espetáculo

Através demonstrações de trabalho acompanhadas de apresentações de mamulengo em escolas públicas e espaços culturais, o teatro popular de bonecos será apresentado como conceito e prática de Patrimônio Imaterial, elemento gerador de autoestima e sentimento de pertencimento e identidade cultural. Versátil e criativa, a aula-espetáculo se adaptará a cada público que for ministrada, respeitando as diferenças de idade, formação cultural, condição socioeconômica e outras particularidades de cada lugar. Com a crescente conquista de espaço no mercado de trabalho, o Mamulengo, para além de patrimônio cultural, será apresentado, também, com uma possibilidade de geração de renda aos interessados em seguir essa tradição.

Mamulengo Presepada

O Mamulengo Presepada nasce no início dos anos 80 da convivência de Chico Simões, seu criador, com o trabalho do amigo Carlinhos do Babau (Carroça de Mamulengos), após viajarem juntos pelo Nordeste brasileiro trabalhando e interagindo com mestres das culturas populares e tradicionais, sobretudo, aqueles ligados ao universo do Teatro Popular de Bonecos do Nordeste (Mamulengo, Babau, João Redondo, Calunga, Cassimiro Coco, dentre outros). Mestre Solón (Carpina/PE), do Mamulengo Invenção Brasileira, foi quem presenteou o grupo com os primeiros bonecos e abençoou o caminho que se segue, ensinando que “Em São Saruê, vive tudo que se imagina” e que “o boneco é anterior ao homem”. Desde então, Chico tem firmado seu trabalho em brincadeira e ensinamentos, com o grupo Mamulengo Presepada e o Ponto de Cultura Invenção Brasileira, no histórico Mercado Sul de Taguatinga. Muitos artistas e bonequeiros passaram pelos aprendizados de Chico, formando muitos grupos e brincadeiras, fazendo de Chico Simões uma verdadeira escola cultural na cidade. São mais de 2.500 apresentações e 25 países visitados, trabalhando como palhaço, mágico, camelô, ventríloquo, bonequeiro, numa trajetória de tradição, resistência e encantamento.

SERVIÇO

O Mamulengo na Educação Patrimonial

Quando? de 01 a 12 de agosto, em espaços públicos e culturais do DF

Entrada Franca