...
 

Covid-19: educadores entram na lista de prioridade da vacina, informa MEC

Inclusão é válida para profissionais do ensino fundamental

Agência Educa Mais Brasil

Os profissionais da educação que lidam diretamente com o 1º e 2º ano do ensino fundamental foram incluídos no grupo prioritário para receber a vacina contra Covid-19, após apelos da categoria. O anúncio foi confirmado pelo Ministério da Educação (MEC), no último dia 03.

Trecho do documento enfatiza a necessidade de vacinar o quanto antes estes profissionais: “Assim, considerando a relevância da retomada das aulas presenciais, com vistas à oferta do ensino de qualidade e ao ambiente de aprendizagem seguro, ressalta-se a importância da inclusão da comunidade escolar, compreendida por estudantes, profissionais da educação e colaboradores nos grupos prioritários para a vacinação contra o novo coronavírus”.

O MEC participou de Comitê de Crise do governo federal para Supervisão e Monitoramento dos Impactos da Covid-19, defendendo a importância da comunidade escolar na implementação da estratégia nacional de imunização.

Em relação ao possível retorno às aulas, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, afirmou que “o governo federal planeja metas para o retorno gradual ao ensino presencial, mas que esse retorno não acontecerá a qualquer preço e, sim, com critérios e decisões que respeitem a dimensão continental do Brasil e as diferentes condições sanitárias das regiões”.

O ministrou afirmou, ainda, que no momento não é possível firmar datas, tendo em vista a atual situação da pandemia de Covid-19, e que o assunto depende de cada situação local.

Retorno híbrido

Dados da pesquisa da ABED mostram que 68% dos estudantes preferem aguardar a vacina antes de retornar às aulas presenciais e 40% acreditam que o ensino híbrido é a melhor opção para o pós-pandemia.

Levantamento conduzido pela Fundação LemannDentre mostrou que como uma das alternativas para salvar o ano letivo, 92% dos pais defendem a continuidade das atividades virtuais em casa, em conjunto com as aulas presenciais (ensino híbrido).

Diante da impossibilidade de aulas presenciais, como medida de proteção contra o novo coronavírus, as aulas via internet se tornaram ferramentas aliadas para o ensino. Segundo o MEC, mais de 76 mil escolas públicas, em cerca de cinco mil municípios, receberam verbas do programa