Coronavírus: profissionais da saúde podem fazer psicoterapia gratuita por telefone ou videochamada

Coronavírus: profissionais da saúde podem fazer psicoterapia gratuita por telefone ou videochamada

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
TelePSI também capacita interessados em ajudar outras pessoas durante a pandemia

Para ajudar profissionais de saúde a lidarem com o enfrentamento ao novo coronavírus, o projeto TelePSI oferece tratamento psicológico por telefone ou videochamada. A iniciativa vem sendo desenvolvida em parceria entre o Ministério da Saúde e o Hospital de Clínicas de Porto Alegre, com a colaboração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), do Departamento de Psiquiatria da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e de outras instituições. 

saúde mental destes profissionais tem sido um tema recorrente, visto que trabalham diariamente com uma série de situações que podem contribuir para o desenvolvimento de quadros de ansiedade, depressão, irritabilidade, transtornos de estresse agudo, entre outros problemas. 

Por isso, oTelePSItem o objetivo de oferecer 10 mil horas de atendimento e desenvolver uma pesquisa sobre a eficiência da técnica e os impactos na saúde mental dos profissionais que atuam no Sistema Único de Saúde.Os serviços serão oferecidos por meio de uma central de atendimento que funcionará de segunda a sexta-feira, das 8h às 20h, pelo telefone 0800 644 6543 (opção 4). A primeira ligação é para cadastro e avaliação. 

A teleconsultautiliza estratégias de intervenção em situação de crise, por meio de psicoeducação, psicoterapia cognitivo-comportamental e psicoterapia interpessoal.No primeiro contato, após uma avaliação, o profissional do projeto selecionará a melhor abordagem e tratamento para o paciente naquele momento.

Os pacientes que forem identificados com potencial de risco ou sintomatologia muito intensa serão encaminhados para avaliação psiquiátrica. Se houver necessidade de medicação, o profissional será encaminhado para a rede de saúde local.

O projeto também disponibiliza vídeos de psicoeducação que orientam sobre questões como ansiedade, depressão, estresse e luto.

Fonte: Agência Educa Mais Brasil

Veja mais:

LEIA TAMBÉM -   Educação na América Latina registra retrocesso de, pelo menos, oito anos

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: