GDF oferece mais três práticas integrativas na rede pública de saúde

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Técnicas alternativas na área da saúde estão ganhando cada vez mais adeptos e se transformando em grandes aliadas na prevenção e até na cura de algumas doenças. A confiança na eficácia dessas alternativas é tanta que, desde 2006, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece aos pacientes práticas integrativas, tais como acupuntura, homeopatia, fitoterapia, antroposofia e termalismo, entre outras. Adepto da mesma linha de tratamento, o Governo do Distrito Federal (GDF) aumentou, este mês, de 14 para 17 o número de práticas integrativas oferecidas na rede pública de saúde. Foram incluídas a ayurveda, a laya yoga e a técnica de redução de estresse (TRE), somando-se às que já eram oferecidas: acupuntura, arteterapia, automassagem, fitoterapia, hatha yoga, homeopatia, lian gong, medicina e terapias antroposóficas, meditação, musicoterapia, reiki, shantala, tai chi chuan e terapia comunitária integrativa.

Os atendimentos são realizados em policlínicas, postos de saúde, centros de atenção psicossocial (Caps), hospitais,  centros de referência em práticas interativas e na Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES/DF). “São espaços diferenciados nas unidades de saúde aos quais a pessoa vai para se cuidar melhor”, resume a titular da Gerência de Práticas Interativas em Saúde (Gerpis) da SES/DF, Patrícia Falcão Paredes Marques. Às vezes, solucionam mais que a medicação.” Ela destaca que essas práticas atuam tanto no plano físico quanto no emocional.

Aline Said: “Ganhei qualidade de vida”

“Ganhei qualidade de vida”, assegura a aposentada Aline Said, 71 anos, que, adepta do tai chi chuan há seis anos, decidiu também fazer a laya yoga. Moradora da Asa Norte, ela participa todas as terça-feiras das aulas na sede da SES/DF faz questão de não faltar. “Depois dessa prática, me senti muito melhor. Aprendi a respirar, o que foi decisivo para minha saúde mental e corporal. Pensamos que sabemos, mas não sabemos respirar, e isso  faz toda diferença”.

Aprendi a respirar, o que foi decisivo para minha saúde mental e corporal. Pensamos que sabemos, mas não sabemos respirar, e isso faz toda diferençaAline Said, aposentada

A instrutora de laya yoga Valéria Frota orienta práticas de respiração, meditação e relaxamento profundo

A instrutora de laya yoga Valéria Frota ensina diversas posições e mantras, repetidos dezenas de vezes durante as aulas. Com música calma e relaxante, ela orienta práticas de respiração, meditação e relaxamento profundo. “Cada momento tem um significado e uma lógica que servem como tratamento complementar para, por exemplo, fibromialgia, problemas nas articulações, dissolução de mágoas, diminuição de fobias e de síndromes do pânico, além de até auxiliar no emagrecimento”, explica.

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: