Instituto de Saúde presta contas à população na UPA de Ceilândia

Instituto de Saúde presta contas à população na UPA de Ceilândia

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Na noite desta quinta-feira (29), comunidade da região administrativa participou da primeira rodada de exposição dos gastos públicos. A ideia é que ação seja realizada trimestralmente pela Secretaria de Saúde

Com o objetivo de aumentar a transparência dos gastos públicos com as seis Unidades de Pronto Atendimento (UPA) do Distrito Federal, o Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (Iges-DF) da Secretaria de Saúde realizou um evento de prestação de contas totalmente aberto para a população, nesta quinta-feira (29), na unidade de Ceilândia. A população foi convocada por um carro de som que passou por várias ruas da região administrativa.

“A partir de agora, vamos trimestralmente prestar contas aos usuários de quanto gastamos com medicamentos, equipamentos, pessoal, infraestrutura. São poucos meses à frente das UPA, mas tenho convicção de que as pessoas que vêm aqui recebem atendimento, medicamentos e dignidade. Hoje a escala de médicos está completa”, comemorou o diretor-presidente do Iges-DF, Francisco Oliveira.

Ele ressaltou, ainda, que a prestação de contas realizada na UPA está em consonância com as medidas para aumentar a transparência das informações já adotadas pelo Iges-DF, como a publicação periódica dos gastos e da folha de pessoal no site da instituição. “Mas como nem tudo mundo tem acesso à internet, faremos também pessoalmente”, completou.

DADOS – De acordo com o relatório apresentado pelo superintendente Financeiro do Iges-DF, João Carlos Aguiar, em 2019, o repasse anual previsto para ser pago até dezembro pela Secretaria de Saúde do DF ao Iges-DF pela gestão das seis UPA é de R$ 67.146.829,86.

Para o período de 27 de maio, quando o contrato de gestão foi assinado, até 31 de julho deste ano, o repasse previsto foi de R$ 19.524.964,71. Porém, o valor líquido recebido pelo Iges-DF foi apenas de R$ 3.723.815,51 no período.

“Isso porque foram descontados pela Secretaria de Saúde para pagamento da folha de pessoal dos servidores que trabalham nessas unidades R$ 14.712.669,75, que representam 75,35% dos R$ 19 milhões. Mais R$ 1.088.479,45 (5,57%) foi abatidos em razão de contratos da secretaria ainda vigentes para a compra de medicamentos”, explicou Aguiar.

Segundo ele, com o valor líquido restante de R$ 3.723.815,51, que representou apenas 19,07% do montante inicial, o Iges-DF gastou em R$ 998.320,99 para pagamento da folha de pessoal contratado sob regime de carteira assinada para repor a mão de obra. Outros R$ 401.679,88 foram gastos com medicamentos, R$ 1.489.000,12 em infraestrutura e R$ 35.615,24 em hotelaria. Com isso, o saldo de custeio atual restante é de R$ 799.199,19.

INVESTIMENTOS –Aguiar explicou que, apesar do saldo de custeio atual ainda ser de quase R$ 800 mil do montante para serem usados nas seis UPA, em uma avaliação individual, duas UPA ficaram com o saldo no vermelho após a dedução dos valores da Secretaria de Saúde e das despesas que o Iges-DF teve com elas.

A primeira foi a de Ceilândia, que recebeu o valor líquido de repasse de R$ 846.893,99 após os descontos da Secretaria de Saúde.  Porém, os gastos somaram R$ 237.497,28 para pagamento da folha de celetistas, R$ 135.500,13 para repor medicamentos em falta, R$ 560.860,06 em infraestrutura e R$ 10.035,70 em hotelaria. Com isso, o saldo ficou negativo em R$ 96.999,18.

“Esse investimento acima da média que gastamos e ainda vamos receber da Secretaria de Saúde permitiu que a UPA de Ceilândia recebesse um incremento de 92 funcionários, mais R$ 135 mil em medicamentos e  manutenção completa da infraestrutura e equipamentos”, ressaltou o superintendente.

A segunda unidade com saldo negativo foi a do Recanto das Emas, com saldo negativo de R$ 48.999,09. Neste caso, o valor inicial era de R$ 343.463,75, mas foram gastos R$ 194.102,78 para pagamento de celetistas, R$ 42.581,28 para medicamentos, R$ 150.209,18 em infraestrutura e R$ 5.569,60 em hotelaria.

O recurso que está sendo aplicado em volume superior ao saldo de custeio do período também é com objetivo de cumprir as exigências do Ministério da Saúde para habilitação das UPA, o que permitirá o recebimento de aproximadamente R$ 500 mil por cada uma delas, equilibrando as contas e oferecendo serviços de qualidade para a população do DF.

“Quando recebemos a missão de assumir as UPA, identificamos a que mais precisava de investimentos, que foi a de Ceilândia. Nossa atuação foi nos pisos, na infraestrutura, na recomposição de estoques de medicamento. Essa UPA virou modelo para aplicarmos o que fizemos aqui em outras UPA. Nossa resposta foi à altura do que precisava, mas não vamos parar”, disse o diretor Operacional do Iges-DF, General Manoel Pafiadache.

“Vocês conseguiram fazer, em poucos dias o que não fizeram há anos”, comentou o morador de Ceilândia, Rubens Estevão.

Quanto ao custeio do Iges-DF líquido recebido para as demais UPA, o valor foi de R$ 1.001.092,07 para a de São Sebastião, R$ 406.945,34 para a do Núcleo Bandeirante, R$ 483.027,72 para a de Sobradinho e R$ 642.392,58 para a de Samambaia.

As seis UPA possuem 980 servidores e 350 colaboradores contratados em regime de carteira assinada, totalizando 1330 profissionais para fazer o atendimento à população.

Do Iges-DF

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: