Profissionais denunciam caos no Hospital Regional de Ceilândia

Profissionais denunciam caos no Hospital Regional de Ceilândia

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

O caos está instalado no Centro de Material e Esterilização (CME) do Hospital Regional de Ceilândia (HRC). Com déficit de mais de 300 horas, os técnicos em enfermagem que trabalham no local estão sobrecarregados. E apesar da falta de pessoal, a estrutura não comporta os cerca de 40 profissionais que trabalham lá. A situação ficou ainda pior após a transferência da coordenação do setor, que antes era da Diretoria de Enfermagem, para a Diretoria Administrativa, há pouco mais de um ano. O Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem (Sindate-DF) esteve no CME nessa terça-feira (01) para checar a situação.

Para a diretora do Sindate-DF Isa Leal, desde que foi feita a troca de direção, os problemas no setor se agravaram. “O CME faz parte do corpo assistencial e não administrativo. O corpo administrativo não tem técnica para atuar com o CME. A competência para gerenciar os técnicos em enfermagem é da enfermagem e não do setor administrativo. Até para marcação de férias, fluxo de pessoal, remanejamento, por exemplo, fica difícil fazer o manuseio da situação sob a coordenação da diretoria administrativa”, disse a diretora Isa Leal.

No que diz respeito à estrutura, o local conta com apenas um banheiro, que deve ser dividido por homens mulheres. Nele, há um espaço de aproximadamente 2m² para que os trabalhadores possam trocar de roupa. Na copa, mal cabe uma pessoa e, na sala de repouso, os profissionais precisam decidir quem vai descansar primeiro, já que o espaço é muito apertado e não cabe mais do que três pessoas.

Para o diretor do Sindate-DF Newton Batista, a situação é de completo desrespeito e desvalorização dos profissionais. “É um absurdo. O CME é um setor extremamente importante para o andamento das atividades e, principalmente, para o centro cirúrgico. Sem o CME, o centro cirúrgico não consegue trabalhar. As pessoas precisam entender isso. O setor precisa ser valorizado”, comentou o diretor Newton Batista.

O local já tem um projeto para ampliação da estrutura. No entanto, os servidores não souberam dizer se já foi encaminhado à Secretaria de Saúde (SES). O Sindate-DF afirma que tomará as providências necessárias para fazer com que que esse projeto seja colocado em execução e vai cobrar da SES as melhorias nas condições de trabalho para os servidores.

Confira fotos do banheiro e copa.

Espaço para troca de roupa.
Banheiro que é dividido entre todos os servidores do CME.
Copa.

Com informações do Sindatedf

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: