Segunda UPA de Ceilândia será construída no Setor O, afirma GDF

Segunda UPA de Ceilândia será construída no Setor O, afirma GDF

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Durante solenidade de entrega da Praça dos Direitos, em Ceilândia, no último sábado (19), o governador Ibaneis Rocha ressaltou o desafio de tirar a cidade do abandono. “Estamos fazendo um trabalho dedicado e dando novamente esperança à Ceilândia e região”, discursou o chefe do Executivo. Tratando de Saúde, uma das prioridades da gestão, ele anunciou três ações importantes para a maior região administrativa da capital: construção de um hospital, de uma unidade de pronto atendimento (UPA) e contratação de profissionais.

“Pegamos a planta do hospital de Santa Maria e estamos adaptando à situação de Ceilândia. O daqui é um dos mais antigos e tem uma série de problemas. Nossa ideia é construir um novo e depois fazer a recuperação do que já existe”, explicou o governador. O projeto está em fase de conclusão nas mãos da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) e da Secretaria de Saúde. A previsão é lançar o edital em 2020.

Enquanto isso, caminhará o projeto de uma segunda Unidade de Pronto Atendimento (UPA) na região, “para amenizar o sofrimento da população”, explica Ibaneis Rocha. A expectativa é que em, no máximo, 15 dias, o edital seja lançado para dar andamento à obra na QNO 21, Expansão do Setor O.

De forma mais imediata, na segunda-feira (21), o GDF fará a contratação de mais 106 médicos para compor as unidades básicas de saúde. No mesmo dia, os contratos de obras no Sol Nascente devem ser corrigidos para prosseguir com o cronograma.

“Vamos levar a dignidade que a população merece, com obras de infraestrutura, restaurante comunitário, atendimento de saúde, salas de aula de qualidade, esporte, iluminação, segurança”, avisou o governador.

A palavra de ordem é ação. “Quando chegamos, nem projeto tinha nessa cidade. Vamos fechar mais de 200 licitações de obras públicas até dezembro. O empresariado, que era maltratado, hoje volta a empregar. Lojas estão reabrindo, comerciantes estão contratando. Tem muito para ser feito, mas pouco a pouco o DF está mudando”, discursou.

Com informações da Agência Brasília

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: