Shopping JK: Acordo entre MP e grupo Paulo Octávio garante construção de escola no Sol Nascente, em Ceilândia

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram


Em um desdobramento das ações que questionaram irregularidades ambientais e urbanísticas na obra do Shopping JK, em Taguatinga, a empresa Paulo Octávio, responsável pela construção, firmou acordo com o Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) para corrigir falhas e oferecer contrapartidas pelos erros que não puderem ser reparados.
Entre as compensações, há a construção de uma escola classe de 3 mil m², com quadra de esportes e um teatro de arena, no Setor Sol Nascente, em Ceilândia. O prazo para a entrega da obra é de 18 meses. Após a expedição do Licenciamento de Obras a empresa terá, no máximo, 30 dias para apresentar o cronograma da construção, sob pena de pagamento de multa de R$ 1 mil por dia.
A Paulo Octávio também deverá apresentar projeto para a construção de um instituto de educação Infantil ou de Ensino Fundamental em Ceilândia ou Taguatinga — o documento é necessário para a obtenção de financiamentos junto a organismos internacionais. A partir da notificação enviada pela Secretaria de Educação, a empresa tem 180 dias para entregar a proposta, sob pena de multa de R$ 1 mil por dia de atraso.
Serão feitas benfeitorias no Parque do Cortado, em Taguatinga. Haverá reforma e manutenção da passarela de madeira que leva até a cachoeira; construção de pista de cooper, quadras de esporte e mirante de madeira para fiscalização; instalação de bicicletário, torre metálica de observação, bancos de concreto, parque infantil e academia ao ar livre; além de implantação de sistema de captação de águas pluviais.
Nesse caso, a empresa dispõe de 12 meses, a partir do recebimento dos termos de referência emitidos pelo Ibram, para realizar as obras. Cada dia de atraso também corresponde a R$ 1 mil de multa.
O acordo levou em consideração que a permanência do shopping incentiva a oferta de empregos e garante opções de lazer. Para a promotora de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística Andrea Chaves, a solução obtida foi satisfatória para todos os envolvidos. “Se o dano ambiental e urbanístico aconteceu naquela região, é importante que as compensações aconteçam lá e que tragam ganhos para a qualidade de vida da população”, afirmou.

*Fonte: CB.Poder / Correio Braziliense

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: