Agnelo deve anunciar o substituto de Luiz Pitiman na próxima semana

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Do Correio Web.

Um dia depois de entregar a carta de demissão, o secretário de Obras,
Luiz Pitiman, ainda falava ontem como integrante do governo. Evitou dar
declarações públicas e prometeu comentar a crise apenas depois que a
exoneração for publicada no Diário Oficial do Distrito Federal, o que
deve acontecer no início da próxima semana. “Continuo trabalhando. Em
respeito ao cargo de confiança ao qual fui nomeado pelo governador
Agnelo Queiroz, eu me reservo ao direito de não falar”, limitou-se a
dizer Pitiman ontem ao Correio sobre a saída do Executivo.

O
silêncio foi a estratégia adotada também pelo vice-governador Tadeu
Filippelli, presidente regional do PMDB e padrinho político de Pitiman.
Ele espera indicar o novo secretário de Obras e o nome em discussão é o
do atual presidente da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap),
Maurício Canovas. O governador Agnelo Queiroz (PT) passou o dia em
reuniões. Não teve compromissos públicos e espera a volta do secretário
de Governo, Paulo Tadeu, que passou os últimos dias fora de Brasília,
para anunciar o sucessor de Pitiman.

A troca no comando da
Secretaria de Obras era aguardada com interesse por petistas do Distrito
Federal. Agnelo prometeu, na última semana de junho, que mexeria na
pasta, mas queria tomar providências de forma a não provocar atritos com
o secretário, a quem quer manter como um aliado na Câmara dos
Deputados. Pitiman tem mandato de deputado federal e assumirá o posto
com a saída do governo. Além disso, durante os meses em que esteve no
cargo de chefe das obras, manteve uma boa relação com o governador. O
problema dele é outro. O estilo dele desagradou petistas de diversas
correntes. Inaugurou obras sem o aval do PT e se colocou abertamente
como um candidato a cargo majoritário.

Um outro detalhe provocou
discórdia. Pitiman tem a imagem associada ao ex-governador José Roberto
Arruda, de cujo governo participou como presidente da Novacap, entre
2008 e 2010. Para petistas, essa vinculação tornou-se um risco político.
O próprio Filippelli manteve atritos com o secretário de Obras que
escolheu. Os dois são amigos, mas Pitiman passou a trilhar caminho
independente.

O vice-governador foi solidário ao correligionário e
não concordou com a fritura política imposta a Pitiman. Ele esperava
que qualquer reclamação relativa ao trabalho da Secretaria de Obras
fosse feita diretamente ao comando do PMDB, assim como a troca no
comando da pasta. Em entrevista ao Correio, há duas semanas, Filippelli
declarou que estava solidário a Pitiman e, se houve erros de integrantes
do PMDB, falhas também foram praticadas por representantes de outras
legendas, inclusive do PT. Falava, assim, como presidente de partido,
preocupado em preservar um liderado.

Justificativas
Pitiman
entregou a Agnelo na última quinta-feira uma carta de duas laudas,
escrita com minúcias, em que apresentou as justificativas para o pedido
de demissão. O governador afirmou, por meio de assessores, que Pitiman é
um colaborador e permanecerá como tal onde estiver, no Executivo ou na
Câmara dos Deputados. O documento tem apenas uma cópia, que permanece
com o peemedebista. Em conversas reservadas, o secretário não escondia
certa mágoa com a campanha promovida por setores do PT para derrubá-lo
do cargo.

Além da Secretaria de Obras, outras áreas do governo
podem passar por mudanças. Há possibilidade, por exemplo, de
remanejamento na Secretaria de Educação. Agnelo também prometeu a
petistas que faria uma troca na pasta, com a indicação de um novo
técnico para o cargo hoje ocupado pela professora Regina Vinhaes
Gracindo. Nesse caso, existe uma pressão do comando do Sindicato dos
Professores (Sinpro), base petista, para a escolha do sucessor. O PDT
também espera ver no cargo um técnico ligado ao partido.

Mais alterações
A
semana será decisiva para Agnelo. Ele deve anunciar alterações na
estrutura administrativa para começar o mês de agosto, depois das férias
dos deputados distritais, fortalecido para os embates do segundo
semestre na Câmara Legislativa. O governo precisa aprovar o Plano
Plurianual, com as diretrizes estratégicas para os próximos quatro anos
(2012-2015), a revisão do Plano Diretor de Ordenamento Territorial(Pdot)
e o primeiro orçamento elaborado pela equipe de Agnelo Queiroz. Por
isso, há possibilidades de outras mudanças no primeiro e segundo
escalões para atender demandas dos partidos que apoiam o GDF.

Nova discussão
A
revisão do Plano Diretor de Ordenamento Territorial foi anunciada pouco
depois do início da nova gestão. Como o Tribunal de Justiça do DF
considerou inconstitucionais 60 dispositivos do projeto aprovado em
2007, a Secretaria de Desenvolvimento Urbano decidiu reabrir as
discussões sobre esse assunto
para substituir artigos que haviam sido
derrubados pelo Judiciário local.

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: