Após 20 anos e 2 mortes (assassinatos) viaduto em Ceilândia será reformado.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram



Após 20 anos sem reformas, o viaduto em Ceilândia (DF) onde duas pessoas morreram afogadas em pouco mais de três meses passará por reparos. A determinação foi repassada nesta quarta-feira (22) pelo governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, ao secretário de Obras, David José de Matos, que garantiu iniciar os trabalhos de forma emergencial ainda esta semana. 


Matos disse que os trabalhos devem durar entre 60 e 70 dias e que tornou-se prioridade do estado depois que Manoel Silva Júnior, de 20 anos, morreu afogado com a água da chuva depois de ficar preso no VW/Gol em que era passageiro na noite desta terça-feira (21). Em outubro do ano passado, no mesmo lugar, uma criança de seis anos também morreu afogada após ficar presa ao cinto de segurança de um ônibus escolar que tentou passar embaixo do viaduto, mas também foi surpreendido pela enxurrada.


— O ideal é que a gente esperasse um pouco mais para o período de seca chegar e darmos início à licitação, mas o governador determinou que nós pegássemos todos os recursos disponíveis, até em prejuízo a outras cidades que atendemos, para darmos o suporte necessário e iniciarmos as obras o mais rápido possível.



O secretário disse que a pasta vai realocar nesta sexta-feira (24) os equipamentos para começar a executar as obras e explicou que a dificuldade não está no trabalho em si, mas na burocracia.


Ele explicou que a atual rede está lá há 20 anos e foi construída pelo metrô, que a interligou com a rede da Novacap (Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil). 


— Até então, tudo estava funcionando perfeitamente, mas quando aconteceu o fato lamentável em outubro passado fomos pesquisar as razões de o viaduto encher tão rápido e logo depois se esvaziar. 


Na ocasião, foi comprovado que a rede estava funcionando, mas havia alguma obstrução. A Novacap utilizou um robô que passa por dentro das galerias e constatou que não havia nenhum tipo de entupimento que justificasse o problema. 


— Saímos atrás de outros motivos e descobrimos que hoje há incompatibilidade do volume de água que passa entre uma tubulação e outra, o que provoca um refluxo. Com isso, a água rapidamente sobe e depois é escoada normalmente.


Nesta quarta-feira (22) o viaduto foi interditado até que todos os problemas sejam completamente resolvidos.
R7 com adaptação

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: