Após ter notificado Raad, novo corregedor da Câmara Legislativa promete agir com isenção.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram


Após uma eleição sem outros candidatos para a disputa, o deputado Patrício (PT) foi eleito corregedor da Câmara Legislativa do DF. A vaga deixada pelo deputado Wellington Luiz (PPL), para assumir a Secretaria de Regularização de Condomínios, ficou cerca de sete meses vazia, paralisando matérias como a que investiga o deputado distrital Raad Massouh (DEM), suspeito do desvio de emenda parlamentar e apropriação indevida de parte dos salários dos servidores que trabalham em seu gabinete.

Agora, sem medo das reações adversas que possam ter outros parlamentares, Patrício promete uma gestão isenta. O primeiro ato do petista no novo cargo foi notificar o distrital do DEM, na última quarta-feira. Agora, Raad tem dez dias para apresentar sua defesa. Para falar sobre o futuro de sua gestão à frente da Corregedoria, Patrício recebeu com exclusividade o Jornal de Brasília em seu gabinete e contou qual a postura que ele adotará: “Não estou aqui par agradar ninguém, estou aqui para cumprir o meu papel e a minha função”. …

Após dois anos presidindo a Câmara Legislativa, o que o motivou a aceitar o cargo de corregedor da Casa?
A Câmara ficou sete meses sem corregedor em 2012, desde que o Wellington assumiu a Secretaria de Condomínios, e nenhum deputado quis assumir, por saber da dificuldade que é julgar seu par. Mas alguém vai ter que fazer. A instituição não pode ficar sem corregedor.

Como será sua gestão à frente da Corregedoria da Câmara?
Vai ser uma atuação de acordo com a legislação, como foi na presidência. Eu não tenho problema que os pares me olhem de cara feia ou atravessada. Não estou aqui para agradar ninguém, estou aqui para cumprir o meu papel e a minha função. Quando você toma uma decisão, você agrada e desagrada. O importante é que no final seja aquilo que a sociedade quer. Para isso fui eleito.

Qual a situação do caso Raad?
Peguei o processo dele na terça e o notifiquei na quarta-feira. Agora, ele terá dez dias para apresentar a defesa e eu terei mais 15 para fazer o relatório final. Porém, eu ainda vou ao Ministério Público e ao Tribunal de Justiça e conversar com as pessoas que foram ouvidas durante a investigação, para tomar pé da situação.

Nos corredores, comenta-se que há parlamentares com medo da sua gestão. Que medo é esse?
Ninguém precisa ter medo de mim. Não estou aqui para caçar bruxas e nem fazer nada demais. Eu vou respeitar a Constituição Federal e usar a Lei Orgânica e o Regimento Interno. Não vou passar a mão na cabeça de ninguém. Se houver algo errado, eu vou encaminhar para a Comissão de Ética.

Qual o papel do corregedor?
O corregedor não pune ninguém. Se houver quebra de decoro, ele apenas envia para a Comissão de Ética que julga se procedem ou não as acusações e encaminha ao Plenário. Eu cumprirei o meu papel e vou fazer o que tiver que ser feito.

O senhor considera que assumiu em um momento difícil, pela proximidade das eleições?
A disputa por poder e espaço é legítima e faz parte do processo democrático. Vou agir da mesma forma, tanto no período pré-eleitoral
quanto pós-eleitoral. Todos os casos que chegarem às minhas mãos eu vou agir com lisura e transparência, sem me deixar levar por afinidade, amizade ou pressão política de nenhum segmento. Ao contrário, eu trabalho melhor sob pressão e não tenho problema nenhum com ela. Quanto mais, melhor.

O senhor acredita que a população está preparada para julgar seus políticos?

Temos que agir com justiça e transparência, seguindo o regimento. Claro que todos os casos que chegarem as minhas mãos, eu irei agir com rigor, mas não farei uma caça às bruxas. Na Caixa de Pandora, a população votou e reelegeu um monte de parlamentares envolvidos no caso e que voltaram para a Câmara Legislativa. Teremos eleições em 2014, alguns se reelegerão e outros não. Faz parte do processo democrático a renovação ou a confirmação de um novo mandato, depende da atuação política. A população está preparada para fazer o julgamento de qualquer pessoa nas urnas, pode ter certeza, pois hoje o que não falta ao cidadão é informação. E, com ela, o eleitor pode fazer o
processamento da sua decisão e do seu julgamento.

O Executivo pode influenciar o trabalho do corregedor ou da Comissão de Ética?

Pode haver com outro corregedor, mas comigo não. Para mim, o deputado pode ter ficado aqui na Câmara, ter transitado pelo Executivo, pode ter voltado, ser da base do governo, ser de oposição, ou de qualquer partido, não há problema.

Qual a imagem que o senhor quer deixar ao fim dessa legislatura?
Eu me importo com a imagem da Câmara Legislativa, pois presidi a Casa na época da Operação Caixa de Pandora e ela saiu muito arranhada e, agora, nós temos que resgatar essa imagem. Nesses dois anos, nós trabalhamos para isso Não é fácil acabar com o fim do nepotismo e acabar com o 14o e o 15o. Instituir o Ficha Limpa também não foi fácil, assim como ficar três meses sem contratar ninguém. Por isso eu digo: não tenho problema que os parlamentares ficarem me olhando atravessado ou falar mal de mim, desde que eu esteja tranquilo com minha consciência.

Por Suzano Almeida do Jornal de Brasília

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: