Área rural de Ceilândia tem maior produção de búfalos do DF

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Embora seja uma cidade conhecida principalmente por ser o berço dos nordestinos e ter a maior população do DF, Ceilândia, no auge dos seus 42 anos, permanece com riquezas pouco conhecidas em sua vasta área rural. A região, além de abrigar belezas naturais, é o local de maior criação de búfalos do DF, com aproximadamente 500 cabeças.

Longe dos edifícios, dos monumentos e dos olhares dos moradores, a Fazenda Nabaçu, no Núcleo Rural Boa Esperança, situado às margens da DF-180, em Ceilândia, foi a localidade escolhida, há 15 anos, pela paulista Leni Cândido da Cruz, 68 anos, para a criação dos búfalos.
“Antes de criar os búfalos eu criava bois, mas tinha muita alergia a carrapatos e o rebanho atraia muito esses bichos. A minha sorte foi que descobri que búfalos não têm carrapatos e então comecei a criá-los. De início, foram 15 fêmeas e um macho, e hoje chegamos a quase 500 cabeças”, explicou.
Divididos em vários piquetes –pequenas áreas de pasto-, o rebanho ocupa boa parte dos 279 hectares da propriedade rural que é cercada por eucaliptos e cortada por veios de água que saem de 11 nascentes –três delas descobertas pelos búfalos.
Foto Mariana Raphael 06
Para a criação, são oferecidos diariamente cerca de 60Kg de alimentos a cada um dos animais e para manter a fazenda abastecida, mensalmente, são adquiridas 7,5 toneladas de milho da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), quantidade que é complementada por silagem produzida na propriedade.
Apesar de serem animais de grande porte, que pesam entre 600kg e 900kg, a criadora garante que são “extremamente dóceis” e mais fáceis de lidar do que bois. Por isso, as cercas dos currais não ultrapassam 1m de altura e os búfalos ainda contam com “áreas de lazer”, com sombra e água fresca.
“Criar búfalos é muito agradável, porque eles são mansos e tranquilos. Eles têm uma cara fechada, feia, que assusta, mas isso é só fachada. Dá muito prazer estar todo dia ao lado desses animais”, frisou.
PAIXÃO – Mesmo os bubalinos sendo grandes e colocarem medo em quem os vê pela primeira vez, Leni conta que eles são “curiosos e ótimos companheiros”, tanto que revelou que às vezes, para se desligar da correria do dia a dia, vai passear com o búfalo preferido, o de número 1083.
“Esse búfalo é o mais mansinho. Ele é o meu psicólogo. Quando preciso, vou passear pela fazenda e conversar com ele, e ele sempre me escuta com atenção e também encosta a cabeça em mim, como quem entende o que o outro sente. Ele é bem tranquilo e só tem 680kg, quase um filho”, brincou.
A tranquilidade dos animais, no entanto, é motivo de pânico para pessoas que invadiram a propriedade. Uma vez -lembrou Leni aos risos-, vendedores entraram com um veículo na fazenda e antes mesmo de chegar a sede foram interceptados pelos animais, que cercaram o carro e impediram a movimentação dos vendedores.
Nesta ocasião, segundo a criadora, foi necessário a presença de um dos ajudantes da fazenda para “libertar os vendedores acuados”.
PRODUÇÃO – Dados da Associação Brasileira de Criadores de Búfalos revelam que a carne desses animais possui características superiores à bovina. Se comparados, os bubalinos possuem 55% menos calorias, 40% menos colesterol e 12 vezes menos gorduras. Outro índice que torna a carne de búfalos mais indicada para o consumo é que ela possui 11% a mais de proteínas e 10% a mais de minerais.
Diante de todas essas propriedades da carne, demanda não falta, segundo a criadora. Porém, a oferta da carne ainda é pouca no Distrito Federal e conforme ela revela, poucos frigoríficos se interessam em vender esse alimento devido às exigências de qualidade feitas por ela.
“Temos uma dificuldade enorme para vender e também mão de obra para criar, para tirar o leite e para o abate. Ainda enfrentamos muita dificuldade, mas, mesmo assim, compensa criar esses animais”, disse Leni, que mantém um laticínio parado, desde 2010, por falta de mão de obra.
Mesmo diante das dificuldades, a criadora não desanima e conta sempre com o apoio da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater) que visita frequentemente a propriedade para acompanhar o desenvolvimento do rebanho.
Na fazenda, em uma paisagem exuberante, Leni afirma ser muito feliz ao lado de seu rebanho, na cidade que a acolheu para que pudesse tornar realidade o sonho de criar animais.
“Na época em que vim para Ceilândia essas terras eram o que tinha de melhor. Então, começamos a trabalhar, tivemos todo o cuidado com o meio ambiente e tornamos realidade tudo o que temos hoje. Sou muito grata a essa cidade”, finalizou a criadora.
info bufalo

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: