Armas não letais garantem vida

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Armamento dessa natureza evitaria mortes em ações contra multidões
Fabíola Souza
ANDRÉ BORGES

Perto do Bezerrão, torcedor foi morto por PM em 2008

Há muitos anos o Brasil convive com altos índices de mortalidade decorrente da ação policial. O índice de letalidade reflete a morte de policiais, de infratores da lei e de vítimas inocentes. De acordo com o coronel Paulo Roberto do 9º Batalhão de Polícia Militar (BPM), no Gama, entre as muitas causas da letalidade policial brasileira está a escassez de armas não-letais, que permitem a aplicação gradual da força, de acordo com cada situação específica.

Um caso conhecido dos moradores do Distrito Federal foi o do torcedor do São Paulo Nilton César de Jesus, de 26 anos, morto por um disparo acidental dado pelo sargento da PM José Luiz Carvalho Barreto, no dia 7 de dezembro de 2008. O crime ocorreu no estacionamento de um shopping do Gama, cerca de dez minutos antes de começar a partida entre Goiás e São Paulo, no estádio Bezerrão. Nilton levou um tiro na nuca e chegou a ser socorrido no Hospital de Base do DF, mas não resistiu aos ferimentos e morreu alguns dias depois.

As imagens foram gravadas pela Rede Record. O cinegrafista flagrou o momento em que o policial atingiu a vítima. O tiro saiu de uma pistola Taurus calibre 40mm. De acordo com a imagem, o policial se preparou para dar uma coronhada com o cano da arma no jovem, mas ele mantinha a munição na agulha, a arma destravada e o dedo no gatilho. Dessa forma, a tragédia foi inevitável.

O sargento com mais de 20 anos de profissão, de autoridade virou réu em um processo de lesão corporal e homicídio. O PM José Luiz Barreto sofreu punições graves que alterou completamente os seus planos de aposentadoria. Segundo a assessoria da PM, internamente ele foi submetido ao Conselho de Disciplina e ficou preso durante 30 dias no quartel. Também foi impedido de trabalhar nas ruas. Hoje, ele realiza trabalhos administrativos no 9º BPM. “Agora ele trabalha na garagem do batalhão, cuidando das viaturas militares”, disse o coronel Paulo Roberto.

Já na esfera jurídica, o sargento Barreto foi denunciado e o processo encontra-se em tramitação na Auditoria Militar do Distrito Federal, aguardando o julgamento. De acordo com o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), por mais que o acusado tenha praticado um crime contra a vida, ele não irá a júri popular, porque o juiz entendeu que o homicídio é culposo – quando não há intenção de matar. Segundo o TJDFT, o julgamento deverá acontecer ainda este ano, e caso o sargento seja condenado a pelo menos dois anos de prisão, ele deverá ser expulso da corporação.

O sargento Barreto foi procurado pela reportagem do Jornal Alô Brasília, mas preferiu não falar sobre o caso. O coronel Paulo Roberto acredita que o episódio com o sargento no Bezerrão não passou de um terrível acidente. “Ele é um policial exemplar e sofre muito com tudo isso até hoje”, afirmou.  

O estádio Bezerrão foi confirmado como palco do jogo entre Palmeiras e Botafogo, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro deste ano, no dia 22 de maio. Além desta partida, a arena no Gama negocia a realização de outros 15 jogos como São Paulo x Grêmio, Flamengo x Botafogo, Botafogo x Corinthians, Flamengo x Bahia e Palmeiras x Internacional.

Armas não-letais – O coronel Paulo Roberto afirma que o efetivo da PM no Gama é suficiente para  garantir o policiamento dos jogos no Bezerrão, mas não há como os policiais irem para o trabalho sem armas. “Nos deparamos com várias situações diversas, afinal, algumas pessoas vão com ânimo de briga para esses lugares e não com o intuito de se divertir”, declarou.

Hoje a PM já conta com algumas armas não-letais para evitar acidentes fatais, como no caso do sargento Barreto. Em alguns casos, eles utilizam o gás lacrimogêneo – que parece uma granada e pode ser jogado com a mão ou com uma arma lançadora. E também tem o spray de pimenta – que é uma substância extraída a capsaicina que causa forte irritação nos olhos e nas vias respiratórias.

Alô Brasília

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: