Azedou a relação: Agnelo X Filippelli

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Publicamente ele não diz, mas nas salas da residência oficial de Águas Claras, o governador Agnelo Queiroz (PT) está com os nervos à flor da pele com seu vice, Tadeu Filippelli, responsável pela fatia, digamos “boa” do governo. Filippelli comanda a estrutura da vice-governadoria, Metrô, Novacap, Caesb, Secretaria de Obras, Secretaria de Transportes, administrações regionais e outros cargos.  Em quase todas essas áreas existem conflitos que atingem diretamente a gestão petista (como as greves e problemas técnicos do Metrô e as denúncias que envolvem o DFTrans e a licitação dos ônibus).

Agnelo já desconfiava de que algo não cheirava bem na secretaria de Transportes, desde que Filippelli  ’importou’ de Goiás, o atual secretário Vasquez, que de imediato anunciou que faria uma ‘revolução’ no transporte público. A tão badalada licitação do transporte já causou muita indignação entre os empresários do setor, além de graves denúncias.
E para completar o caos, o Ministério Público do DF pediu na Justiça  a suspensão da execução dos contratos das empresas de transporte público, por entender que houve “superfaturamento das tarifas oferecidas pelas empresas vencedoras”. A manifestação do procurador Cláudio João Medeiros Miyagawa Freire, feita com base em parecer do Ministério Público de Contas local, questiona uma licitação de quase 10 bilhões de reais do DF para a substituição de toda a frota do transporte público.
Segundo processo que corre na Justiça de Brasília, as empresas que ofereciam tarifas de ônibus bem menores foram desclassificadas na licitação. O MP também concluiu que houve participação ativa de pessoas estranhas à Comissão de Licitação no julgamento das habilitações, nas respostas a recursos e julgamento das propostas financeiras, uma espécie de consultoria jurídica privada sem qualquer contrato direto com a Administração Pública.
Com isso, azedou de vez a relação entre o PMDB e o PT no Distrito Federal. Além de problemas no DFTrans, Agnelo agora tem um enorme abacaxi nas mãos graças ao companheiro Tadeu Filippelli, que atropelou tudo e todos para colocar a licitação para funcionar, ignorando muitos pontos importantes ao que o Tribunal de Contas do DF chama de transparência e economicidade.
A Secretaria de Transportes obteve muitas vitórias no TJDFT, ignorando pareceres e decisões do TCDF. Agora, a encrenca gerada pela secretaria de Transportes atingiu em cheio o governador Agnelo Queiroz e o PT, cujos  militantes mais atentos estão irritados e apreensivos com os próximos capítulos em pleno ano eleitoral. E tudo graças às nomeações de Filippelli.
Consequentemente, já tem governistas cobrando do governador Agnelo Queiroz, uma atitude mais severa em relação aos péssimos gestores que complicam o governo do Novo Caminho. Se for preciso, vale até cortar na própria carne, ou seja: é preciso acontecer uma faxina urgente na banda “boa” ; E o vice poderá ser outro em 2014…
Chamem os bombeiros!!!
Fonte: Donny Silva/com informações de Veja.com

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: