Bancários e vigilantes param agência do Itaú em Ceilândia por segurança

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Seeb Brasília

Trabalhadores cobram melhorias na segurança do banco


Bancários e vigilantes paralisaram na manhã desta quinta-feira (2) a agência do Itaú da Ceilândia Centro, no Distrito Federal, em protesto contra a falta de segurança no local. A agência só voltou a funcionar após representantes do banco receberem os dirigentes sindicais em reunião, em que assumiram o compromisso de instalar câmeras de segurança na unidade, consertar a porta giratória e garantir o retorno do efetivo de vigilantes.

“O Itaú teve de reconhecer as legítimas reivindicações dos trabalhadores. É obrigação do banco zelar pela segurança dos bancários, vigilantes, clientes e usuários”, ressalta Rodrigo Britto, presidente do Sindicato dos Bancários de Brasília e da CUT-DF.

A agência tem quase dois anos de funcionamento e já foi roubada oito vezes. As últimas ocorrências aconteceram no início da semana, na madrugada da segunda-feira (30) e de quarta-feira (1º), quando ladrões levaram computadores e até as câmeras de segurança.

Os dirigentes sindicais também negociaram com banco a possibilidade de manter um vigilante no local para o período noturno e fins de semana. “Mais segurança é uma questão essencial para todos”, resumiu o vice-presidente do Sindicato dos Vigilantes do DF, Paulo Quadros.

Apoio da população

Durante o protesto, os diretores do Sindicato dos Bancários de Brasília também conversaram com a população sobre os altos lucros do Itaú e pediram apoio à luta da categoria por melhores condições de trabalho e por mais contratações, de forma a melhorar o atendimento, por exemplo.

“O banco lucrou R$ 14,62 bilhões em 2011 e precisa ter responsabilidade social na prática. Tem que contratar mais funcionários e garantir as mínimas condições de segurança”, afirma Washington Henrique, diretor do Sindicato dos Bancários.

O empresário Douglas Rodrigues apoiou a atividade. “Sou cliente do Itaú na agência da Ceilândia e vejo a insegurança. Acredito que devemos lutar para conseguirmos melhorias na segurança e no atendimento”, declarou.

Retaliação

Outro problema enfrentado pelos trabalhadores é a postura do banco de retaliação aos funcionários que denunciam a insegurança nas agências ou que são dirigentes sindicais. Durante a negociação desta quinta-feira, o banco retornou ao posto de trabalho dois funcionários que haviam sido transferidos sem justificativa.

Fonte: Contraf-CUT com Seeb Brasília

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: